“Podemos muito mais quando enxergamos além do óbvio”

Por Mateus Moura

Palestrantes e alunos da disciplina Assessoria de Imprensa do curso de Jornalismo da Unifor. Foto: divulgação

Utilizar-se da habilidade do jornalismo para fazer assessoria de comunicação não torna a prática da assessoria algo jornalístico. Esta é a síntese da fala do jornalista Marco Aurélio Cabral, dono da Engaja Comunicação, que representou o tom do V Seminário de Assessoria, que aconteceu na manhã desta quinta-feira, dia 10, e tratou do tema: “O Papel do Assessor na Atualidade”. O profissional jornalista em assessoria de comunicação exerce multifunções trazidas pelas novas formas de consumo da mídia e demandas do empregador, muitas vezes deixando o jornalismo de lado para exercer funções muito além do previsto. O evento foi organizado por alunos da disciplina Assessoria de Imprensa do curso de Jornalismo da Universidade de Fortaleza (Unifor). Além de Cabral, contou com a presença de Juliana de Fátima, relações institucionais do Grupo JCPM em Fortaleza; Sofia Holanda, coordenadora de comunicação no Gabinete da Primeira-Dama de Fortaleza; Juliana Lôbo, gerente de comunicação interna e de imprensa da Solar Coca-Cola.

De acordo com Juliana de Fátima, o papel tradicional de um assessor permanece, embora comece a agregar diversas funções. “[O jornalista] não se torna um especialista, mas, sim, um indivíduo multifacetado que assimila e realiza diversas funções. Como comunicador, devemos nos reinventar, ter uma visão bem mais ampla do nosso trabalho. Isso começa aqui na faculdade”, explica.

Juliana de Fátima conta que assumiu o cargo de relações institucionais dos shoppings RioMar e que, atualmente, exerce apenas 30% de trabalho relacionado a assessoria de imprensa. “O resto envolve comunicação interna, suporte a todos departamentos, apoio a diretoria, organização de visitas de públicos de interesse para conhecer a marca, protocolo e cerimonial de eventos, gerenciamento de crise e redes sociais, que é algo muito novo dentro da área” relata.

“[O jornalista] não se torna um especialista, mas, sim, um indivíduo multifacetado que assimila e realiza diversas funções. Como comunicador, devemos nos reinventar, ter uma visão bem mais ampla do nosso trabalho. Isso começa aqui na faculdade” (Juliana de Fátima)

Juliana Lôbo assumiu a gerência de comunicação interna e de imprensa da Solar Coca-Cola,  o segundo maior fabricante de Coca-Cola do Brasil. Segundo Juliana Lôbo, as grandes empresas estão investindo cada vez mais em cooperação comunicativa. “E comunicação corporativa precisa de um time multifuncional, precisa de um assessor que realmente saiba qual o papel dele. E o papel do assessor de imprensa não é só vender pauta, não é só uma pauta óbvia, que traz o básico, algo que qualquer pessoa poderia escrever. Um bom assessor é aquele que entende da concorrência, do mercado, dos desafios, que sabe que o jornal está cada vez mais enxuto, que ele não vai deixar de cobrir um factual para cobrir uma matéria básica. Então, para determinadas ações, é necessário trabalhar com estratégia, se alinhar ao marketing. Podemos muito mais quando enxergamos além do óbvio”, conta.

Enfrentando desafios

Auditório da palestra. Foto: divulgação

Com apenas 26 anos, Marco Aurélio recebeu o convite de Cid Gomes, Governador do Estado do Ceará da época, para ser seu porta-voz. Começou sua jornada como assessor de imprensa, acompanhando o governador pelo país. Iniciou, da forma mais intensa, a vida de um assessor político e percebeu que não podia ser apenas um assessor de imprensa, precisava ser um assessor de comunicação, entender o todo. “Entender como fazer um evento, a logística de chegada de uma entidade, um cerimonial, como deveria ser uma matéria jornalística da nossa equipe, uma campanha”, exemplifica.

Para Marcos Aurélio, entender as diversas funcionalidades que envolvem o papel de um assessor e buscar se diferenciar do comum pode garantir sua vaga no mercado de trabalho. “Hoje se contrata muito assessor de comunicação, da mesma forma que se demite também. Estamos o tempo inteiro de olho no mercado, para ver quem está apto para assumir grandes desafios com a marca”, declara.

Juliana Lôbo e Sofia Holanda, ambas resolveram seguir suas intuições e viajaram para Londres. Para Lôbo, seguir o caminho da maioria não é errado. Mas, ela optou por buscar um importante diferencial, adquirir novas experiências e voltar ainda mais preparada para o desafiador mercado brasileiro. “Sigam a intuição de vocês. Essa intuição, com organização e planejamento, te levará ao infinito. Eu acreditei na minha intuição. Nunca deixei que alguém dissesse que não era aquilo”, alega. Além de seguir suas intuições, Sofia Holanda, aconselha a sempre ousar e acreditar em suas decisões “Investir na gente nos faz melhores, nos faz acreditar que somos capazes, que valeu a pena”, conclui.

Erisson Vinicius, do 4° semestre de Jornalismo, achou “muito interessante essa palestra, pois dá uma visão maior sobre a assessoria no mercado atual ”. Para Larissa Gomes, cursando o 4° semestre de Jornalismo, o evento foi altamente produtivo, “Pude conhecer a área da assessoria, não tinha nenhum conhecimento antes. Aprendi que o profissional precisará estar no mercado sendo proativo, sair da caixinha. Foi uma experiência maravilhosa, em que conheci profissionais que já estão no mercado de trabalho e em grandes empresas. Foi uma troca grandiosa tanto para mim quanto para eles”, declara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php