Estudantes e professores destacam principais dicas para realização do Enade 2022

Exame é obrigatório para concludentes sob pena de não colarem grau e nem recebem diploma


 Por Gabriel Gago e Marcelo Teixeira

O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) é um exame obrigatório para universitários concludentes que já alcancem 80% dos créditos cursados em sua grade acadêmica. O estudante que não prestar o exame será impossibilitado de colar grau, pois estará com irregularidade perante o Ministério da Educação (MEC), uma vez que a participação no exame faz parte do cumprimento de componente curricular obrigatório.

O período de inscrição, feito pelos coordenadores dos cursos, começa nesta quarta-feira, 6, e se estenderá até 8 de agosto. Após essa etapa, é a vez do estudante assumir o papel nesta jornada. Cada aluno deverá criar um login, seguido de uma senha no sistema do Enade, para que, além da inscrição, ele acompanhe as próximas instruções. O prazo de preenchimento se inicia logo após a inscrição da coordenação, até 26 de novembro. 

Tendo em vista a proximidade e as dificuldades do exame, o curso de jornalismo da Universidade de Fortaleza realizou um simulado preparatório para os alunos concludentes em junho deste ano. Destinado a identificar as proficiências e déficits dos concludentes com questões de conhecimento geral, e específicas da profissão, o simulado contou com 35 questões, sendo 30 objetivas e 5 discursivas. 

Alunos do Jornalismo fazem primeiro simulado promovido pela coordenação do curso / Fotos: Divulgação

Aíla Sampaio, docente do curso de jornalismo da Unifor, destaca que as questões mais pertinentes à leitura e à interpretação de texto são as questões discursivas. Para ela, o aluno “tem que gostar de escrever, mas, para além disso, tem que ter uma aplicação na leitura”, disse a professora. 

Aíla ressalta que o aluno precisa de uma capacidade interpretativa, comparativa e ter uma facilidade de elaboração das suas ideias, de argumentação para conseguir obter um bom desempenho na prova. “É fundamental para que se resolva essas questões e elas devem ter um peso muito grande que o aluno escreva, que ele treine a escrita e treine também a interpretação de texto. Provavelmente teremos algumas oficinas para ajudar nesse sentido”, prevê.

Ela ainda faz um alerta para os estudantes a respeito do exame, não só para os próprios alunos, mas também para o curso. “É imprescindível que o aluno faça o Enade. É imprescindível porque é um exame que vai validar o seu curso, que vai dar uma nota ao seu curso. E, em toda a vida dele, quando for percorrer sua trajetória profissional, ele está ligado a essa nota”.

De acordo com Mariana Fontenele, professora e coordenadora-assistente do curso de Jornalismo da Unifor, áreas como da semiótica, observação de gráficos, além de questões de asserção-razão, precisam ser aprimoradas. Segundo Mariana, mesmo a universidade já estabelecendo um modelo de provas semelhante na sua grade, o simulado serviu como instrumento de reforço.

O aluno João Estelito, do 7º semestre do curso de Jornalismo da Unifor, está apto a fazer o Enade e foi um dos participantes da simulação feita pela coordenação do curso. Para ele, a experiência vai ser importante para a sua construção e não considerou a prova difícil. “Não necessariamente achei as questões difíceis. Acredito que algumas questões são específicas e outras são interpretativas. Elas são muito de interpretação”, detalha.

Estelito recorda que ficou inseguro na prova com alguns termos específicos, termos que o aluno precisa ler, precisa consumir para não cair em pegadinhas. “Digamos assim uma casca de banana, que é aquela metáfora de uma questão que não necessariamente é difícil mas que quer pegar aquela pessoa que está respondendo aqueles itens confusos. Então, acho que a prova Enade não é difícil mas é uma prova de resistência. Você precisa estar ligado ao tempo, e está proposto para respondê-la”, diz.

Mariani Sobrinho também foi outra aluna que participou da simulação. Assim como Estelito, está no 7º semestre e vai prestar Enade em novembro. Ela considera a experiência como “legal e necessária”. “O simulado nos permite, mesmo que de forma mínima, entender como funciona a prova. Gostei das questões e creio que estejam todas dentro da realidade que construímos como estudantes de jornalismo ao longo do curso”.

Ela disse que, ao longo de sua trajetória na universidade, sempre priorizou não somente tirar notas boas e decorar conteúdos, mas também aprender verdadeiramente para executar com excelência no mercado de trabalho. A respeito do significado do Enade em cima desse percurso, Mariani chama a atenção dos demais colegas. “Sabendo que a nota do Enade pode e vai influenciar no meu currículo, apelo para que os meus colegas de sala também deem a mesma importância para a prova, pois afinal, é o nosso futuro profissional que está ‘em jogo’”, convoca.

Aplicado para medir o conhecimento dos alunos ingressantes ou concluintes dos cursos de graduação do Ensino Superior, o Enade está programado para ocorrer dia 27 de novembro. No edital, dentre outras informações, contém a listagem dos cursos que devem fazer Enade este ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php