Mostra “Ficções para Corpas Insurgentes” acontece hoje no Theatro José de Alencar

Programação é alusiva ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAP+ e ocupa a Praça José de Alencar numa realização do TJA (Programa Theatro Cidadão) e curadoria da Imaginários


Por Samantha Kelly

Em alusão ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAP+ o Theatro José de Alencar (TJA) recebe, hoje, dia 28 de junho, a partir das 16 horas, a Mostra “Ficções para Corpas Insurgentes”. Gratuita e aberta ao público, a atividade ainda integra o programa “Theatro Cidadão”. A mostra se afirma na necessidade de se criar espaços seguros e possíveis para existência de corpas LGBTQIAP+, trazendo diferentes formas de se pensar essas fabulações.

 “Ânsio N°2”, de Bethoveen DaSilva / Foto: Divulgação

Serão ao todo sete performances que terão início às 16 horas com quatro ações presenciais  e, a partir das 17h30, três vídeos performances na praça José de Alencar. Ocupam o espaço a partir de uma realização do TJA e curadoria da Imaginários, plataforma de criação, difusão e circulação de arte contemporânea, principalmente do Nordeste do Brasil.

Das ações presenciais, “Íntima”, de Maruska Ribeiro, é uma intervenção urbana por meio de exposição de calcinhas penduradas no varal com o intuito de exibir roupas íntimas de mulheres cis/trans usadas, furadas, desbotadas, velhas, sujas de sangue, de todas as cores e formatos. Já sobre as vídeo performances uma delas é  “Ânsio N°2”, de Bethoveen DaSilva que tem como tema principal a ansiedade. Foi a forma encontrada de tornar visuais as emoções e sensações trazidas pelas crises, através de metáforas visuais realizadas por meio das linguagens do audiovisual e da performance.

“Íntima”, de Maruska Ribeiro / Foto: Divulgação

Além destas, as exposições  “Des-Votos”, de Filipe Alves, “Museu do Amor Sapatão”, de Marília Oliveira,  “O Mar não é Binário #2 – O Farol”, de Levi Banida, “Para reflorestar uma terra seca ou como construir Fortalezas”, de Maria Macêdo e “Receita Para Criar Novas Espécies”, de Sy Gomes, vão estar presentes no evento. 

A curadoria é realizada por Aires (Travesti, artista, arte educadora, Curadora e Produtora Cultural) e Eduardo Bruno (Doutorando em Artes pela UFPA, artista, pesquisador e curador). A mostra tem como objetivo está imersa na potência da diferença e na formulação de um discurso que se cria a partir das insurgências que falam do campo da existência ou da necessidade de se criar novas formas possíveis de existir permanecendo vivas, reivindicando a potência de vida que habita nas ficções de mundo por vir.


Serviço

Mostra “Ficções para Corpas Insurgentes”

Quando: 28 de junho (terça-feira), a partir das 16h

Local: Praça José de Alencar (em frente ao Theatro José de Alencar)

Gratuito

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php