Na música, o legado do cantor e compositor Evaldo Gouveia, dois anos após sua morte

Reconhecido por ser um dos principais autores de boleros e sambas-canções a exemplo de ‘Sentimental Demais’, o violonista cearense marcou e embalou gerações


Por David Furtado

Hoje, 29 de maio de 2022, fãs e admiradores celebram exatos dois anos da morte de um dos maiores cantores e compositores do Ceará: Evaldo Gouveia, aos 91 anos, por complicações da covid-19. Filho único, nasceu em 8 de agosto de 1928, em Orós, de origem simples e humilde. Desde criança começou a cantar e compor suas músicas. Aos 11 anos,  se mudou com a família para Fortaleza.

Gouveia fez sucesso na década de Ouro do Rádio, entre as décadas de 1940 e 1950. Mais tarde, se juntou ao Trio Nagô ao lado de Mário Alves e Epaminondas Souza, onde começou a sua carreira como cantor. 

Tempos depois se tornou um dos maiores cantores da Música Popular Brasileira (MPB), com mais 200 composições de sucesso ao longo de sua trajetória, tais como: Sentimental Demais, Que Queres de Mim, O Conde, O Trovador, Somos Iguais, Serenata da Chuva e outras, foram composições feitas com o seu parceiro Jair Amorim.

Segundo o cantor, compositor e amigo Calé Alencar, Evaldo foi uns dos poucos cantores que não nasceu no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, que teve dois sambas-enredo da Grêmio Recreativo Escola de Samba da Portela. “Suas músicas também foram gravadas por cantores que nasceram depois dele e isso tem uma importância muito grande. Não posso afirmar se tem ou não, mas a Academia Brasileira de Música deveria ter uma cadeira em homenagem a ele”, defende Calé.

O talento de Evaldo Gouveia foi reconhecido por Calé Alencar que tentou, mas não chegou a produzir uma canção com o ídolo e amigo / Foto: Divulgação

Para o autor de Vento Rei, o maior legado de Evaldo foi que apesar de ter uma origem simples e humilde, o seu talento foi maior. Também sou um admirador da obra dele, pelo que tem de belo e bonito em suas obras. Infelizmente não tive a oportunidade de produzir uma canção, porém regravei uma música dele”, recorda Calé. E acrescenta: “meu encontro com Gouveia foi na década de 1980, quando  fui fazer uma apresentação no antigo Cais Bar, na Praia de Iracema. Anos mais tarde o reencontrei, por causa de um projeto feito por mim, neste período ficamos muito próximos”.

Junto ao Governo do Estado e Assembleia Legislativa, a Fundação Demócrito Rocha presta homenagem a personalidades que contribuíram para o crescimento do estado no projeto Os Cearenses, e um deles foi Gouveia. O projeto reúne releituras das obras do compositor.

A Academia Cearense de Literatura e Jornalismo (ACLJ) criou um prêmio que leva o nome do cantor, em sua homenagem. Evaldo Gouveia compôs muitas músicas de sucesso e que foram regravadas por grandes cantores e cantoras, tais como Nelson Gonçalves, Maysa Monjardim, Marisa Monte, Cauby Peixoto dentre outros .

Foto em destaque: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php