Time cearense estreia na primeira edição do campeonato brasileiro feminino Série A3

A partir de maio, a Associação Menina Olímpica será o único representante do Ceará no brasileirão


Por Carolina Romanholi

2022 é o ano da Copa do Mundo no Catar. É também o ano de estreia do campeonato brasileiro feminino série A3, com calendário previsto pela CBF para iniciar os jogos no dia 21 de maio próximo. O certame contará com 32 clubes de todo o Brasil, distribuídos da seguinte forma:

– 27 campeões estaduais em 2020/21;

– 4 melhores colocados do Ranking Nacional de Clubes no futebol masculino;

– 1 clube oriundo do Ranking Nacional de Federações de futebol feminino;

Menina Olímpica de posse da bola no jogo contra o Ceará (Cearense feminino 2021), na cidade de Itaitinga

O campeonato será disputado da seguinte forma: 1ª fase, com jogos de ida e volta; caso no primeiro duelo a equipe não perca de 3 a 0, para provocar a partida de volta. Avançam para a 2ª fase as 16 equipes vitoriosas no duelo, que jogam em sistema eliminatório, em ida e volta, até a final.

O Estado do Ceará estará representado neste campeonato pela equipe Associação Menina Olímpica – AMO. A entidade foi criada em Fortaleza, como projeto social em 2006, com o objetivo de ser uma ferramenta de inclusão social para a mulher, na sociedade e, principalmente, no futebol, como incentivadora na prática esportiva e contribuir, também, para o exercício da cidadania. Em 2016, o projeto tornou-se clube esportivo, sendo o único clube de futebol feminino do Ceará naquele ano.

A atleta Bruninha cobrando escanteio contra a equipe do Tianguá (Cearense feminino 2021) na cidade de Caucaia

O clube tem como fundador e presidente o ex-atleta Chagas Ferreira. Ele está há mais de 15 anos no futebol feminino, e já passou pelos dois maiores clubes cearenses, Fortaleza e Ceará, comandando o futebol feminino.

O AMO garantiu sua vaga para a Série A3 do brasileiro 2022, ao ficar em terceiro lugar no Cearense Feminino de 2021, pois Ceará e Fortaleza já tinham suas vagas garantidas na Série A2. Não foi fácil se classificar. As meninas enfrentaram jogos difíceis e, ainda por cima, estavam em confronto direto com o Guarany, de Sobral, pela disputa da única vaga disponível para o campeonato.

O Menina Olímpica já começou os preparativos para a disputas dos jogos que vêm pela frente. A AMO já está fazendo a pré-temporada há um mês. “Apesar do pouco aporte financeiro, estamos formando um time competitivo, mesclando atletas experientes com novos valores”, disse Chagas.

Atleta Luana Black se preparando para o chute a gol no jogo contra o Tianguá (Cearense feminino 2021)

Para a Série A3, o clube conta com alguns reforços: a goleira Mirian Paixão (ex-Fortaleza), Naiara Pacujá e Valquíria (ex-Guarany de Sobral), Pimenta e Lívia, que vieram do futebol paraibano, Winny e Alana, do Caxias – MA, Vitória, que atuava no futebol de Pernambuco e o restante da equipe composta de atletas oriundas do interior cearense, Quixeramobim, Madalena e Boa Viagem, onde passaram por peneiradas para garantir um lugarzinho na equipe.

A comissão técnica é formada por: Zé Maria Paiva (treinador), Luciano Martins (preparador físico), Estela Melchiori (fisiologista), Christian (treinador de goleiras), Daniela Sá (massaterapia), Carolina Romanholi (assessoria de imprensa), Uilian Verly (assistente de logística) e Chagas Ferreira (coordenação Técnica).


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php