Projeto Pau de Arara retorna, após dois anos parado, para a sua 16ª edição

O programa da Universidade de Fortaleza havia sido interrompido por questões de saúde relacionadas à pandemia de coronavírus e está de volta trazendo muitas expectativas de alunos e professores

Por Vitória Vasconcelos

Após dois anos sem edição, o projeto de extensão da Universidade de Fortaleza, Pau de Arara, tem seu retorno após epidemia de coronavírus. Com o intuito de retornar à Nova Olinda, no Cariri, o grupo de participantes contará com a presença de 35 pessoas, entre alunos e professores da universidade, que ficarão dos dias 17 a  20 de dezembro no Cariri cearense.

O programa, idealizado pelo professor de fotografia Jari Vieira, está na 16ª edição e tem a finalidade de valorizar a cultura do Nordeste, fazendo com que o aluno tenha um reencontro consigo próprio. “É o ir perto para ver longe. É dizer ‘meu irmão valorize o que está perto de você, onde você nasceu, onde você mora’. Não é que não possa valorizar o que está longe, o que está fora, mas vamos primeiro reconhecer o que está perto. O Pau de Arara é isso, é um reencontro com a cultura do Nordeste”, ressaltou o professor.

Retornando para apresentar as fotografias tiradas na última edição, que ocorreu em dezembro de 2019, o grupo irá expor as fotos na Fundação Casa Grande, uma edificação que fazia parte de um antigo engenho que foi transformado em espaço de atividades lúdicas e culturais para as crianças e jovens, e à sua educação. No dia 19, haverá a renovação da Fundação Casa Grande, uma comemoração pelo aniversário do espaço, tendo um cortejo de dez apresentações artísticas e culturais, finalizando dentro na casa, onde estarão expostas as fotografias do Pau de Arara.

Alunos preparam as fotografias que serão levadas para a exposição do dia 19 de dezembro / Foto: Vitória Vasconcelos

Com a proximidade da viagem, os alunos se encontram a “todo vapor” e na maior animação enquanto montam as fotos que serão apresentadas. Ao todo serão 31 alunos, dentre aqueles que estão indo pela primeira vez ao projeto, ou aqueles que já estão “carimbados” e se aventuram pela quinta edição.

Este é o caso da estudante de Publicidade, Raquel Vieira, de 23 anos, que fala com muita animação da sua experiência. “Essa exposição aqui [Pau de Arara], da primeira vez que a gente levou, foi muito interessante porque as pessoas que estão nas fotos, elas continuam indo para a festividade e as crianças que fazem parte da Fundação, elas olham pras fotos e se identificam, se veem, no ano anterior. A gente vê também o quanto elas mudaram, o quanto elas evoluíram. Algumas são crianças de quatro/cinco anos, e, quando a gente volta, já estão com seis/sete e agora, no pós-pandemia, a gente volta com a exposição que a gente tirou as fotos em 2019.2. Levar essas fotos e ter a alegria delas, para que possam receber isso lá, é a melhor coisa do mundo”.

Com o programa retomando depois de ficar sem acontecer por três edições, Raquel também fala de sua ansiedade e felicidade na expectativa pelo retorno do tão esperado Pau de Arara. “O Pau de Arara tem uma experiência muito particular comigo, que sou do interior, tenho uma referência com fotografia e o sertão, toda essa história. O Pau de Arara faz parte da minha cultura, do que conjugo como meu, como verdadeiro e muito importante a gente ver a galera querendo ir e buscando, mesmo depois de tanto tempo sem ter, dois anos aí de pandemia. São três edições que não aconteceram e a gente agora no final do ano é uma esperança de que tudo vai voltar ao normal e eu tô com a melhor das expectativas”.

Na 10ª edição o grupo visitou Pernambuco para conhecer Exú, a terra do Rei do Baião / Foto: Divulgação

As expectativas não são altas apenas para os alunos. Os professores também estão animados para participar do retorno da ação realizada pela Universidade de Fortaleza, como é o caso de Vieira. “A expectativa é sempre a melhor, de que os alunos vão voltar transformados, de que vai dar tudo certo, que a gente vai montar a exposição, aprender muita coisa, eu vou aprender. Então, a expectativa é das melhores, e depois de quase dois anos sem fazer, que a gente não fez 2020.1, 2020.2 e 2021.1, então é um recomeço pro projeto Pau de Arara”.

Passando pelos municípios de Juazeiro do Norte, Crato e Nova Olinda, esta será a edição reduzida, pelo número de participantes, feita neste modelo por questões de saúde. Cada aluno deverá apresentar passaporte de vacinação, contendo as duas vacinas, e se manter de máscaras a todo momento durante as visitas.


Roteiro

Sábado:

9h – Mestre Noza — Centro de Artesões, Centro de Juazeiro, Mercado

14h30 Horto

17h30 – Museu da Fotografia Telma Saraiva

18h30 – São Luiz

19h – Grangeiro

Domingo:

9h – Nova Olinda — Fundação Casa Grande — Montagem da Exposição Pau de Arara

14h – Espedito Seleiro

15h – Início da Renovação da Fundação Casa Grande

19h – Forró com Irmãos Aniceto

22h – Grangeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php