CasaCor Ceará resgata ancestralidade e diversidade cultural entre o novo e o antigo

Arquitetos e designers de interiores voltaram suas atenções para o equilíbrio entre o passado e o futuro

Por Carlos Enrique e Rafael Barros

Conhecida por propagandear ideias e tendências relacionadas ao design de interiores, a CasaCor Ceará vem sendo palco de apreciação por parte de profissionais ligados à área e do público em geral. A 21ª edição da mostra tem como tema “A Casa Original” e está aberta a visitação até o dia cinco de dezembro. Dos 28 espaços projetados na exposição, 14 têm participação de egressos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Fortaleza.

Responsável pela criação da CasaCor Ceará, Neuma Figueiredo está à frente da exposição desde 1999 / Foto: Rafael Barros

O conceito abordado pelos arquitetos do evento busca resgatar temas relacionados à ancestralidade e ao equilíbrio entre o novo e o antigo. No evento, os profissionais exploraram os vínculos que os remetiam às suas raízes familiares e as transformaram em diferentes estilos de decoração, voltados ao mundo contemporâneo. 

Em entrevista à TV NewsLink,  Neuma Figueiredo, diretora da CasaCor Ceará, disse que a mostra pretende mostrar como objetos remetentes ao passado podem ser redescobertos e mesclados com ideias contemporâneas. “É um encontro das nossas origens. Os arquitetos e os designers de interiores colocaram em seus projetos um pouco de suas histórias, de onde vieram”, afirma. 

Neuma ainda aponta para a diversidade etnográfica existente na exposição e como objetos pertencentes à cultura de um determinado povo podem ser retratados na decoração de um espaço. Para a diretora, a mistura de conceitos e o resgate de peças familiares constituem a mensagem que a mostra busca passar.  

Em meio à pluralidade de abordagens, o arquiteto Afonso Tomoda — um dos 19 arquitetos com graduação na Unifor —  mergulhou na história de sua família e trouxe à tona aspectos culturais de seus ancestrais. De origem japonesa, o profissional ornamentou seu espaço com uma cama tatame e de um ofurô como forma de simbolizar a terra natal de seus avós.  

Afonso Tomoda resgatou objetos pertencentes a seus ancestrais japoneses para resgatar a cultura nipônica / Foto: Rafael Barros

“Este ano, devido ao tema da casa original, trouxemos de volta essa raiz da nossa cultura oriental. Foi uma homenagem ao meu avô, um resgate das minhas raízes. O nome de Suíte Nagoya é porque este é o nome da cidade natal em que ele nasceu”, disse Tomoda.  

Mesmo os acostumados a participarem de edições anteriores da mostra apontam que o evento deste ano traz consigo elementos especiais. Experiências vividas em outros lugares do planeta e a convivência com diferentes culturas foram usadas  durante o processo de construção de um espaço. 

Ramiro Mendes usou sua experiência com a cultura turca como forma de inspiração para a sua exposição / Foto: Rafael Barros

Segundo Ramiro Mendes, designer de interiores, sua viagem à Turquia o fez perceber semelhanças deste país com o Brasil. O profissional buscou formas de ilustrar essas similaridades na exposição. Mendes percebeu que os turcos apreciam o café, assim como os brasileiros.  Assim surgiu a ideia de projetar um espaço na exposição onde funciona uma cafeteria.

Para Mendes, a CasaCor é um espaço ideal para promover diferentes estilos de pensamentos e de tendências. “Desde a primeira vez que fiz Casacor notei como a participação é importante no meio profissional. Falo sempre que a CasaCor é como se fosse o desfile de moda do design”, completou o arquiteto, reforçando que “é muito legal também porque é um local onde a gente tem a mente livre, sem as especificações e exigências dos clientes”.

Concebida em 1999, a CasaCor Ceará é realizada em diferentes espaços de Fortaleza. Este ano, a mostra acontece na casa pertencente à família Boris, em um espaço criado pelo arquiteto Reginaldo Rangel entre os anos 1973 e 1974. 



Serviço

CasaCor Ceará – 22ª Edição – até domingo, 5 de dezembro de 2021

Av. Rui Barbosa, 901 – Fortaleza (CE)

Horário:

Terça a Sábado das 16h às 22h

Domingo das 15h às 21h


Veja também

One thought on “CasaCor Ceará resgata ancestralidade e diversidade cultural entre o novo e o antigo

  • 1 de dezembro de 2021 em 16:49
    Permalink

    Ótima cobertura! Parabéns à repórter.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php