Mercado editorial: As dificuldades que jovens escritores enfrentam para desbravá-lo

Perseguir espaço no mercado literário é o desejo de muitos que iniciam suas carreiras na adolescência. Hoje, no Dia Nacional do Livro, escritores falam sobre possíveis dificuldade insuflada pela inexperiência

Por Gabriela Guasti e Maria Estela Assis

“Quando era criança, minha mãe sempre dobrava as folhas de papel ao meio e fazia como um livrinho pra que escrevesse e desenhasse… Então, sempre me via escrevendo livros”. O relato é da universitária Beatriz Freitas, que começou a carreira de escritora com apenas 14 anos. Hoje, aos 20, tem três livros publicados e não planeja parar a carreira como autora. É também aluna do curso de Jornalismo, da Universidade de Fortaleza.

A trajetória dela reflete o sonho de milhares de jovens brasileiros que desejam construir uma carreira no mercado literário. Mas, o processo de publicação de um livro pode ser cheio de empecilhos. Segundo Beatriz, a falta de informação sobre o funcionamento das tecnicalidades editoriais e contratuais dificultou a publicação de sua primeira obra, “Equivalências”, e a levou a cometer muitos erros.

Ana Beatriz Brandão com seu novo livro “A garota dos olhos esmeralda” / Foto: Arquivo pessoal

Já Ana Beatriz Brandão, 22 anos, autora de livros como “A Garota das Sapatilhas Brancas” e “O Garoto do Cachecol Vermelho”, ressalta que, além da falta de conhecimento sobre o mercado, escritores jovens ainda enfrentam outro obstáculo: a resistência das editoras em contratar autores inexperientes. Entre as possíveis razões para a relutância está a incerteza de retorno financeiro e o gasto elevado que teriam com a divulgação de uma obra desconhecida.

Conforme pesquisa informal do jornal Folha de São Paulo, um escritor no Brasil ganha, em média, 10% do valor total cobrado por um livro físico. O restante é dividido entre a editora, a distribuidora e a livraria.

Consequentemente, para conseguirem viver da profissão, os autores precisam atingir elevadas metas de venda. “Nunca tive essa ideia de viver da escrita; claro que sempre foi um sonho, mas não é uma opção, não é muito rentável”, admite Beatriz Bandeira.

Outra barreira entre o jovem escritor e uma carreira de sucesso é o preconceito com a literatura nacional. Ana Beatriz atribui esse contexto à falta de conhecimento e de afetividade que a população geral tem com a literatura nacional. Segundo ela, o que lhes falta perceber é que “os livros nacionais não são só os clássicos da escola: há escritores nacionais que escrevem de tudo, não precisa ser só romance, só fantasia; tem um mercado gigante de escritores”, esclarece.

Para contornar as barreiras do mercado editorial, muitos autores optam pela autopublicação. De acordo com Isabela Caldas, escritora de 19 anos que publicou seu primeiro livro de forma independente, a maioria das editoras prefere fazer novas edições de livros que já foram sucesso a apostar em novos autores.

Essa realidade impulsionou o crescimento do mercado literário online e, de acordo com uma declaração de Alexandre Munhoz, gerente-geral da Amazon Brasil, para a revista Forbes, dos 100 livros mais vendidos online pela plataforma da Amazon, 30% deles são livros digitais de autopublicação.

Lara T. Vainstok, autora de A busca de Ella, diz que a divulgação nas redes sociais o espaço é tudo / Foto: Arquivo pessoal

Sem a ajuda das editoras para fazerem a divulgação de suas obras, muitos autores iniciantes procuram fidelizar seu público por meio das redes sociais. “A divulgação em redes sociais é tudo, é o que você tem que fazer. Quanto mais redes você conseguir alcançar, mais público leitor você tem”, afirma a escritora Lara Vainstok, de 20 anos, que, recentemente, publicou seu primeiro livro em formato digital.

Apesar do mercado editorial não abrir portas para a publicação de escritores jovens e iniciantes, esses autores acharam meios diversificados de contornar essa barreira e compartilhar suas histórias de maneira ampla. É assim que preenchem os espaços vazios na prateleira da literatura nacional.

Serviço:

Livro, “Equivalências: a esperança em um mundo de cinzas”

Livro, “A garota dos olhos esmeralda”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php