Estudantes do Jornalismo da Unifor ganham 2º e 3º lugares no Prêmio Gandhi

por Marcelo Teixeira

Eles foram premiados, nesta quarta-feira, 16, com os 2º e 3º lugares do Prêmio Gandhi nas categorias de Trabalho de Conclusão de Curso e Mídia Eletrônica, respectivamente. Os trabalhos premiados foram “Democracia além de fronteiras: a função cívica do jornalista na cobertura internacional e humanitária”, monografia de Natália Coelho, e “A gente vive com Hiv, mas não quer morrer de Aids”, de Fayher Lima, Raquel Sant’Ana e Chate Mourão. Ambos os trabalhos foram orientados por Adriana Santiago.

Raquel Sant’Ana, 24, estudante do sexto semestre do curso de Jornalismo, fala sobre sua participação no Prêmio Gandhi. “É um prêmio muito importante aqui para nossa cidade e nosso estado e poder participar é muito importante pra minha vida acadêmica e profissional. É uma possibilidade de destaque muito grande que esse prêmio dá pra gente como estudantes e como futuros profissionais”. 

Raquel também reforça que outros estudantes participem do evento. “Tem muito trabalho importante que todo esse pessoal está mandando e que só de estar participando, de estar vendo isso de perto, já agrega muito pra gente”, fala. 

Natália Coelho e sua monografia, apresentada durante a pandemia de covid-19 (Imagem: Acervo pessoal)

Natália Coelho, 24, graduada em Jornalismo pela Unifor, comentou sobre seu trabalho e a participação na premiação. “É muito bom olhar para trás e ver que um trabalho que eu fiz sobre a ética jornalística, o jornalismo humanitário e outras questões que envolvem um lado positivo e esperançoso da imprensa e dos conflitos internacionais foi reconhecido. É uma pesquisa que eu pretendo continuar e saber que ela está indo pelo menos no caminho certo me deixa muito segura e motivada a seguir pesquisando”, afirma.

Ela ainda reforça a importância dos estudantes atentarem à produção de notícias positivas e esperançosas. “Acho que o Jornalismo da boa notícia também é uma forma de fazer nosso trabalho de forma ética. É sobre encontrar as pautas esperançosas pela cidade. Então, acho que focar um pouco nesse lado é uma ótima ideia”.

Natália atribui o sucesso de seu trabalho não só a si mesma, mas também à sua orientadora Adriana Santiago que, segundo Natália, foi peça chave no seu encorajamento, esforço e dedicação. “Minha orientadora fez um trabalho espetacular. A professora Adriana é, na verdade, uma das grandes responsáveis pelo trabalho, que não me deixava vacilar, mesmo durante os dias mais difíceis da pandemia.  O TCC foi o reflexo do trabalho dos meus professores durante toda a graduação e eu tenho realmente muito orgulho dele, de como ele afinal se tornou algo maior do que eu pensava”, declara. 

A solenidade 

Aconteceu nesta quarta-feira, 16, a 13ª edição do Prêmio Gandhi de Comunicação, com o objetivo de incentivar a promoção da cultura da paz através da comunicação. Partindo de uma iniciativa da Agência Boa Notícia, organização não governamental sediada em Fortaleza (CE), a solenidade foi realizada de forma virtual em virtude da pandemia. 

As premiações são voltadas a jornalistas e estudantes universitários dos cursos de Jornalismo ou Publicidade e Propaganda. Em 2008, eram três categorias avaliadas, hoje são nove: Profissional Jornalismo Impresso, Profissional Telejornalismo, Profissional Radiojornalismo, Profissional Fotojornalismo, Produtor de conteúdo online para jornalistas e publicitários, Comunicação Interna para trabalhos de assessoria de imprensa, Estudante – Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Estudante – Reportagem de mídia impressa e Estudante – Mídia eletrônica (produção de rádio, TV, fotografia, internet ou publicidade). São 30 mil reais distribuídos entre os vencedores das categorias, além de troféus e certificados. 

Angela Marinho fez a apresentação dos ganhadores durante o evento on-line (Imagem: Prêmio Gandhi via Youtube)

A apresentação on-line, através do YouTube, ficou a cargo da coordenadora do Prêmio Gandhi, Angela Marinho. Quanto à nova categoria de Comunicação Interna, ela explicou a sua necessidade. “A categoria  se impôs para reconhecer as atividades que as assessorias de imprensa e de comunicação realizam junto a seus públicos internos”. 

Sobre as categorias para estudantes, Marinho diz que a intenção é incentivar a cultura de paz entre os universitários ainda durante a graduação. Ela explica os critérios usados para as inscrições, que não permitem o registro de graduandos através de veículos de comunicação. Já os jornalistas profissionais devem ter graduação em Jornalismo e registro no Ministério do Trabalho.

Nos intervalos da exibição da premiação, profissionais que fazem ou fizeram parte da Agência Boa Notícia realizaram algumas passagens, como é o caso da jornalista Suely Fraga. Fraga fala de sua experiência quando trabalhou na Agência Boa Notícia e da relevância do Prêmio Gandhi para a comunicação. “O prêmio reflete esse pioneirismo de não esperar acontecer uma grande mudança no sistema. Com 13 edições, o prêmio Gandhi comprovou que a paz na Comunicação não é uma estratégia que se possa utilizar hoje e descartar amanhã, pelo contrário, o prêmio plantou a semente que hoje colhemos, através de uma comunicação muito mais consciente e disposta a fazer a diferença no mundo”.

Veja a classificação completa das premiações

Estudante Mídia Impressa

1º Lugar: “Caminhos: o futuro da educação cearense” (Antônio Leonardo de Sousa Reis – UFC)


Estudante Mídia Eletrônica

1º Lugar: “A um livro de distância” (Beatriz Rabelo Cavalcante – UFC)

2º Lugar: “A dois metros: histórias não contadas da pandemia” (Natali Lima de Carvalho – UFC)

3º Lugar: “A gente vive com Hiv, mas não quer morrer de Aids” (Fayer Lima, Raquel San’Ana e Thiago Mourão – Unifor)


Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

1º Lugar: “Jornalismo de Soluções: uma proposta para notícias em tempos de pandemia” (Maria Aparecida da Silva Souza – Universidade 7 de Setembro)

2º Lugar: “Democracia além de fronteiras: a função cívica do jornalista na cobertura internacional e humanitária” (Natália Xavier Coelho – Universidade de Fortaleza).

3º Lugar: “Trajetórias múltiplas: narrativas de pacientes  com esclerose múltipla” (Kamyla Cristina Galdino de Freitas – UFC).


Profissionais

Comunicação Interna

1º Lugar: “As pessoas e a valorização das suas histórias como ferramenta estratégica de comunicação para a construção de uma cultura de paz durante a pandemia de covid-19 no Hospital Universitário Walter Cantídio” (Ludmila Wanbergna Nogueira Félix – Hospital Universitário Walter). 

2º Lugar: “#TodoCuidadoImporta” (Larissa da Silva Viegas – Ministério Público do Estado do Ceará). 

3º Lugar:  “Seduc exibe série de publicações com histórias de ex-alunos que ingressaram no ensino superior” (Bruno Parente Correia Mota – Secretaria de Educação do Governo do Estado do Ceará)


Conteúdo online

1º Lugar:  “Aqui é Flamengo” (Verminosos por Futebol e Sintonia Filmes – Rafael Luis Azevedo e os profissionais de cinema e audiovisual Larissa Cavalcante, Vinicius Augusto Bozzo, Priscille Gomes, Guido Nobre, Mikael Teixeira, David Lima Duarte, Gustavo Brito e Alan Kardec Filho).

2º Lugar: “Cruzes Estradeiras” (Paulo Oliveira da Silva e Severino Antônio da Silva – Portal Meus Sertões).

3º Lugar: “Pessoas Que Mudam A Realidade Do Sertão Para Melhor” (Paulo Oliveira da Silva). 


Impresso

1º Lugar: “Mulheres de Quilombo” (Roberta Kelly de Souza Brito, Helene Cristiane, Germana Cabral, Cristina Pioner, Lorena Cardoso, Gabriela Dourado, Gustavo Marques, Abrahan Lincon e Louse Eugênio – Diário do Nordeste)

2º Lugar: “Juventude Recrutada” (Emanoela Campelo de Melo e Diego dos Santos – Diário do Nordeste)

3º Lugar: “Cartas de Presente” (Dahiana Araújo, Karine Zaranza, Louise Dutra, Theyse Viana, Renato Bezerra, Thatiany Nascimento e Messias Borges – Diário do Nordeste).


Telejornalismo

1º Lugar: “Mineração em Quiterianópolis: o progresso que escorreu pelo rio” (Suely Frota – TV Assembléia)

2º Lugar: “Desafios para um Envelhecimento Cidadão” (Suely Frota – TV Assembléia)

3º Lugar: “Despedida” (Lena Ximenes e Everton Lucas – TV Ceará)


Radiojornalismo 

1º Lugar: “Cultura e Pandemia” (Lyana Ribeiro, Daniela de Lavor e Elon Nepomuceno – Rádio Verdes Mares)

2º Lugar: “ABC da infância em Fortaleza” (Carla Soraya, Igor de Lima, Tiago Lima e Débora Brito – Rádio Jovem Pan News). 

3º Lugar: “Os Milagres da Ciência” (Carla Soraya, Igor de Lima, Tiago Lima e Débora Brito – Rádio Jovem Pan News). 


Fotojornalismo

1º Lugar: “Volta às aulas na pandemia” (Fábio Procópio de Lima – O Povo). 

2º Lugar: “Mulheres donas de seu tempo” (Fabiane de Paula – Diário do Nordeste)

3º Lugar: “Cavalaria da PM integra jovens” (Edimar Soares – O Otimista). 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php