5+ Cânticos de torcidas de futebol

Por Mateus Moura

Existe uma famosa frase dentro do universo do futebol: as torcidas são o décimo segundo jogador de um clube. E isso é verdade. A importância dos torcedores vai além do ganho financeiro e comercial proporcionado por eles. São pessoas movidas pela paixão, que se misturam dentro de um estádio com um único propósito: apoiar o time que torce.

Esse apoio acontece de diferentes formas: coreografias com mosaicos, pirotecnia e até bandeiras gigantes, que podem chegar a 300 metros de largura. Mas uma, em especial, está presente do início ao fim: os cânticos. São através das músicas que as torcidas expressam seus sentimentos e impulsionam seus jogadores para a vitória durante os jogos.

Devido a pandemia do novo Coronavírus, as partidas de futebol estão sendo realizadas sem a presença do público, então, para relembrar e matar um pouco da saudade do som das torcidas nos estádios, o 5+ desta semana traz os melhores cânticos de torcida pelo mundo.

Confira:

You’ll Never Walk Alone (Você nunca andará sozinho) – Liverpool

Composta originalmente por Richards Rodgers e Oscar Hammerstein ll para o musical Carousel (1945), You’ll Never Walk Alone ganhou destaque entre os ingleses após ser regravado pela banda britânica Gerry & The Pacemakers em 1963.

A ascensão da música coincidiu com uma tradição realizada sempre antes dos jogos do Liverpool, em Anfield, quando o sistema de som tocava alguns sucessos da época. You’ll Never Walk Alone transformou-se em um hino para os Reds (como são conhecidos os torcedores do Liverpool), sendo imortalizado e tornando-se tradição cantá-la sempre ao início das partidas.

Vale ressaltar que, além do Liverpool, torcidas como as do Borussia Dortmund e Celtic também adotaram a canção em seus jogos como forma de apoio ao clube.

Verde Nacional – Raja Casablanca

A torcida marroquina do Raja Casablanca é conhecida mundialmente pelas suas coreografias e canções que contagiam e possuem uma atmosfera incrível. A música “Verde Nacional” destaca a campanha do clube no Mundial de Clubes de 2013, realizada no Marrocos, quando eliminaram o Atlético Mineiro de Ronaldinho Gaúcho, chegando às finais contra o Bayern de Munique, algo histórico para o clube.

Minha Camisa Vermelha – Internacional

Inspirados em “Pelados em Santos”, dos Mamonas Assassinas, a torcida colorada do Internacional adaptou a música e a transformou em um de seus principais cânticos durante as partidas. Posteriormente, outras torcidas também adaptaram a versão, como, por exemplo, Ceará, Flamengo e América de Natal. 

Muchachos, traigan vino (Rapazes, tragam vinho) – Racing

As torcidas argentinas, em geral, são reconhecidas pela fidelidade máxima ao clube, independente do momento ou do resultado da partida, os argentinos não param de cantar. A torcida do Racing, em destaque com a canção “Muchachos, traigan vino”, provou esse sentimento em 1999.

Naquele ano, o Racing passava por sua maior crise financeira, chegando a anunciar sua falência e, consequentemente, o término da sua existência no futebol, no dia 4 de março. Três dias depois, 40 mil torcedores lotaram o estádio El Cilindro, mesmo sem haver jogo, mostrando que resgatariam o clube do melancólico fim.

A Argentina na época vivia grave crise econômica. As manifestações dos torcedores, porém, fizeram o governo reavaliar a decisão, utilizando a justificativa de que a extinção da tradicional equipe de Avellaneda teria consequências populares mais graves que os problemas financeiros. Diante da intervenção, o clube se manteve ativo, restruturando-se nos anos seguintes e, em dezembro de 2001, conquistou o título do Campeonato Argentino após 35 anos.

Camisas Negras – Vasco da Gama

O Vasco da Gama tem um significado enorme para a história do futebol brasileiro. Foi um dos primeiros clubes à lutar contra a segregação racial, dando espaço para negros, operários e pobres, algo mal visto na época devido a elitização do esporte.

A torcida Cruz Maltina teve papel fundamental na construção da história do clube. Um dos principais marcos foi a construção do estádio São Januário, em 1923, considerado, na época, o maior estádio da América do Sul. A obra só foi possível devido às várias doações dos torcedores: terreno, dinheiro, materiais e mão de obra. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php