5+ curtas indicados no GP de Cinema Brasileiro 2020

Por Julliana Braga

Dos Emmys aos Cannes, a COVID-19 alterou a programação de diversas premiações mundo afora. Aqui no Brasil não seria diferente. O Grande Prêmio de Cinema Brasileiro – mais importante premiação nacional do audiovisual, outorgado pela Academia Brasileira de Cinema –, apesar de ainda não ter data prevista, divulgou a lista dos seus indicados na primeira seletiva de 2020.

O catálogo, que conta com mais de 60 curtas – sendo 15 nomeados às categorias de melhor curta-metragem de ficção, animação e documentário –, está disponível gratuitamente na plataforma Porta Curtas.

Pensando nisso, o Jornalismo NIC selecionou alguns dos filmes mais instigantes indicados no Grande Prêmio de Cinema Brasileiro 2020, na categoria de melhor curta-metragem. Aproveite e boa sessão!

 

AMNESTIA (2019)

O filme de Susanna Lira, indicado na categoria de melhor curta-metragem de documentário, propõe uma reparação sensível a todos os que tiveram as vidas afetadas pela Ditadura Civil-Militar no Brasil (1964-1985). Narrada por Paulo Abrão, ex-Secretário Nacional de Justiça, a remontagem utiliza imagens arquivos para instigar o debate acerca do processo político brasileiro, por meio de um ensaio poético.

Acesse aqui.

Cena do documentário “Amnestia”. Foto: Reprodução.

 

SANGRO (2019)

Inspirado em uma história real, Tiago Minamisawa, Bruno H. Castro e Guto BR desmistificam, com uma confissão íntima, questões que sobrevivem até hoje no imaginário social em relação ao HIV. O filme foi indicado a melhor curta-metragem na categoria de animação.

Acesse aqui.

Filme “Sangro”. Foto: Reprodução.

 

ANGELA (2019)

A obra de Marília Nogueira conta a história de uma mulher que coleciona diagnósticos de doenças que nunca teve. Indicado à categoria de melhor curta-metragem de ficção, o filme retrata a trajetória de uma vida solitária até o vislumbre de uma nova existência.

Acesse aqui.

“Angela”, de Marília Nogueira. Foto: Reprodução.

 

SWINGUERRA (2019)

Marcada por tensões entre grupos rivais, a obra de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, retrata a rotina e desejos pessoais de dançarinos altamente disciplinados. Indicado na categoria de melhor curta-metragem de documentário.

Acesse aqui.

O documentário “Swinguerra”. Foto: Reprodução.

 

BONDE (2019)

Três jovens negros da favela de Heliópolis saem em busca de refúgio na vida noturna LGBT+ do Centro de São Paulo. A obra, do diretor Asaph Luccas, é um dos indicados à categoria de melhor curta-metragem de ficção.

Acesse aqui.

Cena do curta-metragem “Bonde”. Foto: Reprodução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php