“Capitão Fantástico” critica estilo de vida americano

Por Thomás Regueira

 

Em uma sociedade globalizada é recorrente ver pessoas com padrões de vida, culturas e desejos semelhantes: ganhar muito dinheiro, possuir muitos bens materiais, ter uma casa grande, ir à universidade etc. No entanto, há algumas pessoas que não pensam como a maioria e possuem ideias e costumes diferentes dos demais.

No filme “Capitão Fantástico” (2016), Ben Cash (Viggo Mortensen) é um pai que cria seus seis filhos na floresta isolados de qualquer contato com a sociedade. A rotina da família é marcada por diversos treinamentos físicos intensos ministrados por Ben, como caça de animais para alimentação e bastante estudos sobre diversos assuntos como música, línguas estrangeiras, ciência política e demais áreas de conhecimento.

No entanto, toda essa rotina, que perdurou por mais de uma década na família, acaba quando Leslie (Trin Miller), esposa de Ben e mãe das crianças, se suicida em consequência de uma forte depressão. Face a esta situação, os pais de Leslie culpam Ben pela morte da filha e proíbem ele e os filhos de irem para o funeral sob ameaça de prisão. Mesmo assim, eles resolvem sair da floresta para ir ao funeral de Leslie e acabam sendo forçados a se reintegrar na sociedade após um longo tempo de reclusão.

Crítica ao sistema

Cartaz de Capitão Fantástico. Foto: Divulgação

Capitão Fantástico é um filme de forte posicionamento contra o regime capitalista vigente na sociedade americana atual. Ben resolveu se isolar da sociedade e criar seus filhos na floresta junto com Leslie, que também compactuava com as mesmas ideias, porque não concordava com a maneira como as pessoas viviam.

Durante o filme, são colocadas diversas questões que criticam o capitalismo, como quando chamam refrigerante de “água envenenada” ou pelas pessoas comemorarem a chegada de um “elfo mágico” (Natal).  Por outro lado, Ben é criticado por gastar todo o dinheiro para se manter na floresta com os filhos, pois, segundo ele, “não precisa juntar dinheiro e apenas viver com o essencial”.

Além da crítica ao capitalismo, há um posicionamento fortemente contrário aos valores e pessoas cristãs, que, na concepção de Ben e seus filhos, o cristianismo aliena as pessoas e estas usam a religião para julgar os outros. Além disso, a família de Leslie, cristã, não respeitou o desejo da filha, que era budista, de ser cremada e com todos em volta felizes. Ao invés disso, optou pelo velório tradicional seguido do enterro do corpo.

Reflexão sobre a vida

No início da história do longa pode haver muito estranhamento de quem o assistir porque as pessoas possuem costumes e crenças completamente diferentes do habitual. No entanto, com o desenrolar dos fatos, é possível compreender melhor a mensagem que o filme procura passar e aceitar melhor o estilo de vida da família.

Capitão Fantástico já ganhou diversas premiações do cinema e já recebeu indicação ao Oscar de Melhor Ator por Viggo Mortensen (Ben Cash). É uma obra, como o próprio nome diz, fantástica e nos faz questionar acerca das crenças e costumes da sociedade e quais são os valores que mais importam na vida.

Confira o trailer abaixo.

Ficha Técnica

Título: Capitão Fantástico

Ano: 2016

Origem: Estados Unidos

Direção: Matt Ross

Duração: 118 minutos     

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php