Infecções sexualmente transmissíveis aumentam no período de Carnaval

Por Viviane Ferreira

O Carnaval é a festa mais esperada do ano, principalmente para os jovens. Apesar de ser uma época animada e cheia de surpresas, ela pode trazer consequências se não for aproveitada de maneira correta. Infelizmente, é nesse período em que cresce o número de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) causadas pela falta do uso de preservativos durante o ato sexual. A maioria dos infectados  são jovens com faixa etária de 15 a 19 anos.

O método mais eficaz para evitar esses tipos de infecções é a camisinha, um contraceptivo feito de látex ou poliuretano que pode ser encontrado em farmácias e postos de saúde. Somente neste ano, segundo o Ministério da Saúde, serão distribuídos, ao todo, 570 milhões de preservativos e géis lubrificantes para todo o Brasil, com aumento de 12% em relação ao ano anterior. O intuito para o Carnaval deste ano foi de que todo o país estivesse abastecido com 128,5 milhões de preservativos, garantindo a proteção dos foliões contra as ISTs.

A professora Simone Paes de Melo. Foto: Viviane Ferreira.

De acordo com a professora do curso de Enfermagem, Simone Paes de Melo, é importante também trabalhar a questão dos excessos do álcool e das drogas, pois seus efeitos diminuem a capacidade de avaliar a situação. “Você acaba deixando de usar o preservativo porque está empolgado, não avalia os riscos e acaba tendo relação desprotegido. Às vezes, a pessoa não está com o preservativo em mãos, mas é muito importante desenvolver o autocuidado”, explica.

A professora ressalta que as infecções mais corriqueiras após o Carnaval  são: Sífilis, Hepatite B e C, HPV e o HIV. Por isso, é importante que se faça os testes específicos dessas infecções nos centros de testagens, onde o acesso e o diagnóstico são gratuitos e feitos pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) ou pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, não se deve esquecer de usar o preservativo, porque é a melhor forma de prevenção contra qualquer doença de transmissão sexual, além de evitar uma gravidez indesejada.

Infográfico por Halleyxon Augusto.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php