Experiências de jovens brasileiros durante o mestrado em Portugal

                                                                          Por Gabriela Barroso

Estudantes brasileiros já são ⅓ dos estrangeiros em Portugal, segundo o reitor da Universidade de Lisboa, António Manuel Cruz Serra.O acesso a uma universidade portuguesa tem sido uma grande experiência, tanto no quesito profissional, quanto de aprendizagem. Portugal possui um sistema de educação superior ao do Brasil. Conforme os dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o país corresponde ao 41° posição global no ranking, enquanto o Brasil aparece em 79º lugar.

Diferente do Brasil, as universidades públicas de Portugal têm custo e o conceito de mestrado é diferente do nosso país. Em Portugal, o aluno faz três anos de graduação e depois dois anos de mestrado, se assemelhando ao do Brasil. Porém as nomenclaturas são diferentes, o mestrado é chamado de 2º ciclo de ensino.  

A engenheira de produção Eduarda May em Portugal. Foto: Arquivo pessoal

Formada em Engenharia de Produção, Eduarda May (23), está fazendo mestrado em Gestão, voltado para o mercado de trabalho. “Para quem vai fazer exatamente a mesma área da sua graduação no mestrado, pode ser um pouco repetitivo e menos aprofundado do que gostaria. É importante pesquisar antes sobre o sistema de ensino”, explica. 

Durante o primeiro ano do mestrado, Eduarda teve a impressão que a dissertação  das universidades portuguesas são comparáveis com o formato do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) brasileiro e não tem o mesmo nível de profundidade acadêmica de uma tese de mestrado em nosso país. “É parecido com a graduação no Brasil, mesmo tipo de aulas expositivas, resolução de casos práticos, trabalhos em grupos e apresentações. No segundo ano é para desenvolver a tese, na maioria dos casos não tem mais aulas, só alguns seminários e orientação”, conta.

Diego Paiva é professor de Publicidade e Propaganda. Foto: Arquivo pessoal

O professor de publicidade, Diego Paiva (34), fez mestrado em Design Gráfico na Universidade do Porto. Ele afirma que toda universidade tem o seu próprio processo seletivo e do qual vai depender do curso desejado. “Durante a minha época, a universidade exigia um portfólio, mas atualmente o processo seletivo é outro. Eu me informava muito por email, mandava dúvidas para a Secretaria do curso e para o meu professor”, lembra.

Alguns pontos positivos, como questões financeiras e possuir o curso que almejava, fez com que o professor escolhesse Portugal. No decorrer do mestrado, teve experiências com outras escolas de Design de outros países. Porém, ele confessa que o processo de documentação e enfrentar o clima frio foram as suas maiores dificuldades no país europeu.

A semelhança das culturas

A jornalista Clarissa Silvino em Portugal. Foto: Arquivo pessoal

Hoje em dia, residindo no país, a ex-estudante de jornalismo da Universidade de Fortaleza (Unifor), Clarissa Silvino (27) fez mestrado em Estudo dos Média e do Jornalismo, na Universidade Nova de Lisboa. Ela explica que decidiu estudar em Portugal pela facilidade do visto, bem como pelo valor da mensalidade da universidade.

Segundo ela, uma das vantagens de fazer mestrado em Portugal é a língua portuguesa, mas pode ser dificultada às vezes, por ter alguns aspectos distintos. Clarissa aconselha a passar mais tempo com portugueses para que a adaptação seja mais confortável. Outras vantagens que aponta são a possibilidade de ter validação no Brasil com mais facilidade e na pouca diferença que existe entre as culturas portuguesa e brasileira.

O Jornalismo NIC organizou uma lista de melhores mestrados em Portugal, de acordo com a líder global em informações sobre ensino superior, Eduniversal Best Masters

Infografia por Gustavo Maciel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php