Mesa-redonda apresenta ações interprofissionais na prevenção ao suicídio

Por Marcos Viana

O Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, 10 de setembro, foi marcado por palestras e atividades realizadas em várias instituições de ensino, com o objetivo de recordar a importância deste tema. Na Universidade de Fortaleza (Unifor), o dia contou com exposições, acolhimentos, apresentações artísticas e musicais, mesas-redondas e o projeto Florescer, que promove atividades de bem-estar para os alunos.

Terezinha Joca, psicóloga e coordenadora do Programa de Apoio Psicopedagógico (PAP) da Unifor. Foto: Marcos Viana

A mesa-redonda “Ações Interprofissionais na Prevenção ao Suicídio” foi ministrada pela professora Terezinha Joca, psicóloga e coordenadora do Programa de Apoio Psicopedagógico (PAP) e pela enfermeira Lívia de Andrade Marques, professora do curso de Enfermagem da Unifor, e mediada pelo aluno de enfermagem Matheus Firmino de Morais. A professora Terezinha explicou a importância do PAP e a sua proposta de acolher o estudante em sofrimento psicológico, por meio de ações conjuntas, a fim de aliviar as tensões e promover o bem-estar no campus.

Infográfico com as principais demandas do PAP. Infográfico: Rafaela Alves

O PAP classifica os atendimentos por prioridades. Dentre os casos mais graves estão a automutilação, o surto psicótico, as patologias psiquiátricas e as tentativas suicidas, que são atendidos com urgência, em comparação aos casos leves como dificuldades relacionais e de aprendizagem.

Segundo a professora Lívia de Andrade, uma pessoa com histórico de transtorno mental, bullying, abuso sexual e casos de suicídio na família podem ter tendências a pensamentos suicidas. Neste caso, o alerta fica para pessoas com interesse em ajudar alguém nessa situação. A postura de quem vai agir junto a quem passa por estes problemas deve ser séria, de respeito e empatia, adotando uma abordagem sem julgamentos e ouvindo de maneira calma e atenciosa. Em casos mais graves, uma pessoa comum não poderá ajudar, sendo necessário encaminhar para um profissional, para um acompanhamento mais aprofundado.

A mesa-redonda abordou de forma objetiva as ações de profissionais de vários ramos nessa onda de prevenção, neste caso em específico, o ramo da psicologia e da enfermagem. O debate mostrou que pessoas com comportamento suicida devem ser acolhidas em qualquer ponto da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) e, dependendo do risco apresentado, poderão ser encaminhadas a outro ponto de atenção. O RAPS engloba a Atenção Básica em Saúde, a Atenção Psicossocial Especializada (ambulatórios, CAPS e leitos hospitalares) e a Atenção de Urgência e Emergência (pronto atendimento hospitalar, SAMU e UPA). É possível prevenir o suicídio através de uma providência precoce, antecipando e evitando que esse fenômeno aconteça.

Um comentário em “Mesa-redonda apresenta ações interprofissionais na prevenção ao suicídio

  • 11 de setembro de 2019 em 19:39
    Permalink

    Achei a matéria muito boa é importante saber que tem muitas pessoas interessadas em ajudar as outras com problemas ou mesmo com algumas necessidades parabéns

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php