Animação traz a diversidade de faces do Homem-Aranha

Por Gabriel Lopes

Um jovem é deslocado da sociedade ao ser mordido por uma aranha radioativa e ganha poderes especiais. Com esses grandes poderes, vêm grandes responsabilidades. Dentre elas, inúmeros combates com vilões, conflitos entre a vida privada e os desafios do herói. Parecia que a história do super-herói Homem-Aranha não poderia ser capaz de ser inovada nos cinemas, já que existiam três versões diferentes do herói no mercado cinematográfico. Mas a animação “Homem-Aranha: no Aranhaverso”, dirigida por Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman, traz uma infinidade de possibilidades na trama, experimentando aspectos da personagem até então não explorados nos outros filmes.

A história da animação é focada em Miles Morales, adolescente afro-latino-americano, residente de Nova York, onde Peter Parker combate o crime como Homem-Aranha há anos. O assassinato de Peter pelo Rei do Crime, que acontece simultaneamente ao momento da transformação de Miles no Homem-Aranha, obrigou o jovem a buscar um rápido amadurecimento diante da ameaça que pairava sobre a cidade.

Este processo se torna ainda mais complexo com a inserção de vários Homens-Aranha de diferentes dimensões no universo de Miles. Um deles é a versão mais velha e “enferrujada” de Peter. Além dele, também são agregados o Porco-Aranha, Homem-Aranha Noir, Peni Parker e Gwen Stacy, a Mulher-Aranha. O filme apresenta discussões profundas acerca da representatividade, mostrando que qualquer um pode se tornar um super-herói. Temáticas como racismo e conflitos familiares dão um tom mais dramático à animação, algo que enriquece a produção.

Riqueza audiovisual

A animação também se destaca pela sua beleza visual, implementando elementos dos quadrinhos nas telas de cinema, como balões de pensamentos, páginas passando pelas telas e cortes de cenas divididos em blocos, dando uma sensação de imersão cinematográfica em uma revista em quadrinhos.

Outro ponto técnico que se destacou bastante foi a trilha sonora, que reúne grandes nomes do hip-hop atual, como Post Malone, Jaden Smith e Lil Wayne. Tais músicas representam bem aquilo que é ouvido por jovens como Miles Morales, dando uma sensação de que o público está ouvindo a playlist do protagonista.

Essas e outras inúmeras qualidades fizeram com que “Homem-Aranha: no Aranhaverso” vencesse o Globo de Ouro de 2019 e recebesse indicação para o Oscar de 2019 na categoria de Melhor Filme de Animação.

 

Ficha técnica
Filme: Homem-Aranha: no Aranhaverso
Ano: 2018
Direção: Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman
Gênero: Animação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php