5+ autobiografias de personalidades brasileiras

Por Lara Montezuma

O gênero de autobiografia faz muito sucesso nas livrarias, visto que aborda a vida íntima de personalidades influentes e parece satisfazer parte do interesse dos admiradores das celebridades que aceitam expor um pouco mais de sua história aos leitores. O Jornalismo NIC selecionou cinco autobiografias de personalidades brasileiras para que você possa conhecer alguns dos seus artistas preferidos.

“Verdade Tropical”, de Caetano Veloso (2017)

“Verdade Tropical” completou 20 anos de lançamento em 2017. Foto: Reprodução.

“Verdade Tropical” é a autobiografia do cantor e compositor Caetano Veloso. O livro completou 20 anos desde o lançamento em 1997 e , segundo as palavras do artista no prefácio do livro, foi necessário lançar uma reedição para que os acontecimentos pudessem ser analisados por uma visão mais madura do escritor. O baiano de Santo Amaro inova ao complementar os capítulos de sua vida com uma trilha sonora única, que percorre desde os sucessos da Tropicália até clássicos italianos. Caetano Veloso usa as mais de quinhentas páginas para ilustrar suas vivências e, consequentemente, o despertar da música popular brasileira. O livro, além de narrar as particularidades do cantor, também leva o leitor a conhecer a história musical e política do país através do olhar de um dos maiores artistas nacionais. Todas as músicas mencionadas no livro podem ser escutadas na playlist “Verdade Tropical”, disponível no aplicativo Spotify.

“Rita Lee: uma autobiografia”, de Rita Lee (2016)

No livro, a cantora revela sua vida íntima. Foto: Reprodução.

A cantora Rita Lee tem uma das personalidades mais marcantes da música brasileira. Rita está fora do cenário musical desde 2012, mas deixou muitas histórias para entreter o público neste livro. A obra, lançada em 2016, revela momentos de sua vida pessoal, contados de maneira irreverente como apenas a cantora seria capaz de fazer. A artista também relata assuntos polêmicos, como o seu casamento com Arnaldo Baptista – a quem ela chamava de “Loki” – e a sua opinião sobre Os Mutantes, sua banda de formação. Sua autobiografia traz uma visão aprofundada sobre a sua carreira solo e o seu momento atual, o qual a artista descreve como uma fase de “velhinha fofinha”. Neste ano, Rita Lee lançou “favoRita”, um livro que poderia servir como um complemento de sua autobiografia. Majoritariamente de fotografias atuais e antigas, o livro contém escritos e pinturas exclusivas.

“Hippie”, de Paulo Coelho (2018)

“Hippie” é o livro mais autobiográfico do autor. Foto: Reprodução.

A vida controvérsia de Paulo Coelho é descrita neste livro, o mais próximo que o autor já chegou de uma autobiografia. Apesar de ser escrito em terceira pessoa, a obra tem um protagonista chamado Paulo, que discorre sobre as suas descobertas desde o início da juventude. O nome da obra veio da sua percepção da intolerância do mundo atual e da nostalgia de como era em sua época “hippie”, nos anos 70. Embora  tivesse sido uma fase de liberdade e amor, o livro também relembra momentos delicados, como a época em que Paulo Coelho foi preso. “Hippie”, segundo o autor em entrevista para o jornal Estadão, serviu para fechar feridas do passado.

“Gilberto bem perto”, de Gilberto Gil e  Regina Zappa (2013)

O livro foi escrito em parceria com a jornalista Regina Zappa. Foto: Reprodução.

“Andar com Fé” e “Toda Menina Baiana” são alguns dos sucessos que Gilberto Gil emplacou na sua carreira musical. Além de ser um dos maiores nomes da música brasileira, o cantor também fez parte da história política do Brasil. Preso e exilado durante a ditadura, Gilberto Gil revela em sua autobiografia momentos nunca antes vistos pelo público, como o preconceito sofrido ainda na infância. A obra, feita em conjunto com a jornalista Regina Zappa, desvenda angústias, alegrias e vivências dos 76 anos de vida do artista.

“O livro de Jô: uma autobiografia desautorizada – Vol. 1”, de Jô Soares e Matinas Suzuki Jr. (2017)

A autobiografia de Jô Soares tem dois volumes escritos. Foto: Reprodução.

O bom humor de Jô Soares ultrapassa a TV e se torna presente nas páginas do primeiro volume dos seus livros de memórias. José Eugênio Soares, conhecido nacionalmente como Jô Soares, é uma figura da televisão brasileira há mais de 50 anos e traz na primeira parte da sua autobiografia a sua história até os 30 anos de idade. Durante esta época, o apresentador estudou nos melhores colégios do Rio de Janeiro e em escolas renomadas na Suíça, ainda na época em que pensava ser diplomata. O livro deixa o leitor esperando pelas revelações de sua carreira profissional, que estão disponíveis no segundo volume de sua autobiografia, lançada em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php