Debate sobre democracia e eleições abre Semana 18 anos do curso de Jornalismo

Por Gabriel Lopes e Yasmim Rodrigues

O debate “Eleições 2018 – O dia seguinte” ocorreu hoje no teatro Celina Queiroz na Unifor. Mediado pelo professor e publicitário Carlos Bittencourt, o evento teve a participação dos convidados Wanderley Filho, historiador e jornalista; e Arnaldo Santos, professor, sociólogo e cientista político. O debate iniciou lembrando do passado histórico eleitoral brasileiro, pois, segundo Arnaldo Santos, “o dia seguinte é uma incógnita”. Nesse contexto, o cientista político relembrou que essa semana é comemorado os 30 anos do novo período da democracia no Brasil. De acordo com ele, apesar do pouco tempo de existência, esse é o período mais longevo de democracia no Brasil. “A democracia é o nosso bem maior a ser preservado”, afirmou.

Sobre o atual momento político, os convidados alertaram para o sentimento que permeia grande parte da população, que consiste em utilizar seu voto não para escolher o melhor candidato e, sim, para selecionar o “menos pior”. “Não se pode cometer os erros de um passado tão recente”, aconselhou Arnaldo, lembrando o caso das eleições de 1989, que culminou no impeachment do então presidente, Fernando Collor de Melo.

O debate “Eleições 2018 – O dia seguinte” marcou o início da Semana do Jornalismo. Foto: Pedro Vidal

A imprensa na política

Outro assunto abordado no debate foi o papel da imprensa no processo eleitoral e político. “As duas candidaturas [Haddad e Bolsonaro] pregam a desconfiança com a imprensa”, explica Wanderley Filho. De acordo com o jornalista, no passado, declarar guerra contra a imprensa significaria uma derrota nas urnas, mas, nas eleições de 2016 dos Estados Unidos, o então candidato, Donald Trump, que tecia duras críticas à grandes veículos de comunicação norte-americanos, veio a ser eleito.

Para Wanderley, o papel da imprensa deve ser o de ajudar a refletir, mas não de escolher. Atualmente, não é isso que acontece no Brasil. “Pratica-se no Brasil o mais agudo padrão de manipulação na mídia”, afirmou Arnaldo Santos. Segundo o cientista político, existem alguns fatores que indicam a existência de manipulação, como indução (definir o que deve ser pautado para a sociedade); fragmentação (utilização de frases fora de contexto); fake news; judicialização da política e da mídia e a omissão. “Se omitir de discutir uma pauta importante em um momento como esse é fascismo”, criticou Arnaldo.

“Pratica-se no Brasil o mais agudo padrão de manipulação na mídia” (Arnaldo Santos)

O dia seguinte

Wanderley Filho e Arnaldo Santos, respectivamente. Foto: Lucas Barbosa

Os palestrantes concluíram que, em 2018, não importando o resultado nas urnas, a renovação no Congresso Nacional será pouca, o que é preocupante, pois “um Executivo bom não pode governar com um Legislativo ruim”, explicou Arnaldo. Além disso, o cientista político deu dicas de como identificar a viabilidade das políticas públicas. “É fácil, basta perguntar: quanto custa, quem paga e de onde vem o dinheiro”, exemplificou.

Ademais, Wanderley Filho explica que o voto nulo é um sinal de que há sempre uma parte da população que está em protesto contra as opções ofertadas. “Acho que o voto obrigatório é algo atrasado no Brasil”, opinou. Para ele, o voto obrigatório propicia os casos de venda de votos, especialmente nos locais mais carentes do país.

Quanto a polarização política no Brasil, o historiador afirmou existir uma espécie de “democracia torta”. “Eu tenho o direito de concordar e não quero que você tenha o direito de discordar”, afirma. De acordo com Arnaldo Santos, há uma regra não escrita que está sendo seguida: “não ver legitimidade no contraditório”.

Voto útil e democracia

O Jornalismo NIC conversou com os palestrantes sobre o funcionamento e a importância do voto, além de abordar a questão do voto útil e da democracia na atualidade.

Falamos com Wanderley Filho acerca do voto útil. Confira no áudio abaixo:

 

Conversamos também com Arnaldo Santos sobre as ameaças à democracia atualmente. Escute no áudio abaixo:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php