Alexandrismos e a visão do amor próprio além do padrão

Por Letícia de Medeiros

Em uma sociedade repleta de rótulos e pressão devido aos padrões estéticos, principalmente no âmbito do sexo feminino, encontrar formas de se amar e se aceitar se tornam atos revolucionários. Essas ações mobilizam outras pessoas para que consigam se sentir bem da forma que são. Esse é o caso do canal do Youtube “Alexandrismos”, criado pela jornalista Alexandra Gurgel, em 2015.

Alexandra lançou seu primeiro livro, falando sobre amor próprio. Foto: Reprodução

Após ter vivido anos de insegurança com seu corpo, Alexandra começou a produzir conteúdos voltados para o amor próprio, o body positive (movimento que busca fortalecer o amor próprio das pessoas e também promover a pluralidade da beleza), a autoaceitação e o feminismo para conscientizar os seus seguidores sobre os temas. Ela também comenta sobre questões atuais envolvendo o preconceito presente na sociedade para que os consumidores do seu conteúdo entendam a discriminação envolvida em alguma ação. Atualmente, o canal tem mais de 300 mil inscritos.

Alexandra tem uma playlist chamada ‘E aí, Xanda?’, a mais conhecida em seu canal. Nela, a jornalista comenta e dá sua opinião sobre notícias em evidência naquele momento, principalmente notícias sobre mulheres, corpos e saúde. Além disso, ela também já fez maratonas de vídeos voltadas para assuntos específicos, como a semana “Body Positive” e a “Maratona do Amor-Próprio: comece a se amar em 31 dias”.

Padrão de beleza

Com a questão dos corpos em evidência, o vídeo ‘Privilégios de estar no padrão’ comenta com a youtuber Dora Figueiredo, sobre as vantagens de não viver a pressão de ter um corpo diferente ou considerado não saudável. Ademais, aborda como não há local de fala para quem não sofre a discriminação por ser gorda.

 

Machismo versus padrão estético

Alexandra comenta sobre a relação entre o machismo e a pressão estética, explicando de forma leve e completa como a mulher é vista pela sociedade. Ela relaciona a situação com a pressão estética de estar aceitável aos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php