Rogério Magalhães tem a arte de impulsar vocações

Por Letícia de Medeiros

Rogério Magalhães, 42, trabalha com coaching de empresas e artistas, isto é, um conjunto de habilidades que pode ser desenvolvida por qualquer pessoa, com o objetivo de desenvolver a estratégia e a performance de vida pessoal. No profissional, ajuda a impulsionar empresas para adquirir sucesso.

“Nunca desisti e nunca acreditei que não iria dar certo”. Foto: Arquivo Pessoal

Além de administrar palestras e cursos motivacionais, Rogério tem um escritório em São Paulo, especializado em empresas. Ademais, atende em Miami, nos Estados Unidos, com um programa de coaching para emagrecimento, para chegar no corpo desejado. No entanto, o profissional começou sua carreira na contabilidade.

Formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), ele trabalhou na indústria farmacêutica por quase vinte anos, lidando com a parte de marketing, vendas e gestão de pessoas. Além disso, também era speaker de uma empresa, ou seja, ele era palestrante da multinacional. Foi com a indústria farmacêutica que, em 2007, Rogério fez seu primeiro curso de coaching. Com isso, ele começou a fazer o treinamento com os gestores da empresa, trazendo a busca do autoconhecimento para alavancar resultados.

Em 2014,  o coach já tinha o desejo de seguir uma carreira própria. Mas, depois de perceber como muitos gestores tinham o desejo de impulsionar suas carreiras no mercado de trabalho, Rogério pediu demissão da empresa para montar a sua. “Me surgiu a ideia de ter minha própria empresa, poder fazer treinamentos para impulsionar empresas diferentes de maneira remunerada, pois esse não era o meu tipo de trabalho na indústria”, recorda.

Veia de liderança

Desde a infância, Rogério tinha uma mentalidade positiva. Além disso, ele considera que sempre foi naturalmente um líder, porém com honestidade e sem passar por cima de ninguém.

Segundo ele, sua maneira de atrair as pessoas positivamente despertou o desejo e a alegria de ajudar as pessoas, motivando-as a vencerem. “No esporte, eu era capitão do time. Na escola, eu era o líder de sala. Eu nunca deixava ninguém desistir.  Se a gente perdia, eu dava força para os meus colegas. Se alguém tirava nota baixa, eu os ajudava a acreditar que iria recuperar aquela nota”, lembra.

Eu nunca deixava ninguém desistir.  Se a gente perdia, eu dava força para os meus colegas (Rogério Magalhães)

O maior divisor de águas é o autoconhecimento

Rogério dá palestras e cursos sobre ativar a motivação. Foto: Arquivo Pessoal

Rogério diz que o maior empecilho para começar a sua empresa foi seu subconsciente. “Eu precisava acreditar que iria conseguir, precisava me desvincular do padrão empresa em que no meio ou final do mês eu já tinha meu salário, para poder construir minha própria carreira”, afirma. Na época, já era casado, pai de três filhas e tinha um alto padrão de vida.

Ainda que tivesse de enfrentar problemas no começo, como abrir o escritório com grande concorrência, captar clientes e afins, aos poucos seus clientes foram atingindo resultados desejados em empresas e nas vidas pessoais. Assim, o coach ganhou visibilidade a partir dos gestores que tiveram avanços. “A maior propaganda é o boca em boca. Com isso, fui montando minha equipe e ficando cada vez maior”, conta. Segundo ele, não tem como voltar para nenhuma outra empresa. “Agora, eu faço o que eu gosto e só cresço nos meus resultados”, conclui.

Para o futuro, Rogério já têm novos projetos para ampliar sua equipe e formar novas pessoas para a metodologia que acredita. “É um mercado que só cresce, faz com que pessoas invistam mais na capacitação das pessoas. Eu vejo um mercado que precisa disso, mas que poucas pessoas estão mesmo prontas para isso, então eu quero poder atuar em mais estados com uma equipe comigo, pois eu não posso fazer isso sozinho”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php