Os desafios do vegetarianismo

Por Letícia de Medeiros

O vegetarianismo, segundo a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), se opõe à dieta onívora, pois a base da alimentação vegetariana são os vegetais, sem a base da proteína animal. No entanto, algumas pessoas que não se alimentam de animais tomam essa decisão de vida sozinhos e começam sem a ajuda de nenhum profissional. Em consequência da falta de nutrientes, pessoas que não fazem acompanhamento nutricional podem desenvolver anemia devido à falta de Vitamina B12.

As porções na alimentação de um vegetariano para a absorção dos nutrientes necessários. Foto: Reprodução

Segundo a nutricionista Luana Façanha, 22, a anemia ocorre quando a baixa quantidade de hemácia é ocasionada pela pouca quantidade de vitamina no organismo. “Devido às fontes de B12 serem de origem animal e estarem ausente do reino vegetal, torna-se importante uma suplementação diária da vitamina, principalmente para os vegetarianos estritos”, completa a nutricionista.

Uma pessoa prejudicada pela falta de acompanhamento foi a estudante de Psicologia, Vitória Albuquerque, 19. “Comecei a ir em um nutricionista há uma semana, estou com deficiência da vitamina B12. Me sentia muito fraca e, depois de alguns exames, vi que eu precisava suplementar”, conta. “O nutricionista fez o cardápio correto para que eu conseguisse juntar os alimentos para produzir proteína de alto valor”, completa a estudante.

O acompanhamento

Vantagens de ser vegetariano para a saúde do coração. Foto: Reprodução

Quando o estilo de vida vegetariano é desejado por alguém, para a nutricionista Michelle Rocha, 26, a dieta jamais deve ser feita por si só. Segundo ela, deve-se iniciar com um profissional qualificado. “A dieta vegetariana é reconhecida como segura à saúde, quando bem planejada e orientada por um nutricionista com experiência nessa área. Mas é nessa fase que se pode iniciar o processo de deficiência de alguns nutrientes específicos à saúde se não tiver apoio profissional”, afirma ela.

Para a estudante de Nutrição, Beatriz Velloso, 17, iniciar a alimentação com o nutricionista para sua dieta vegetariana foi essencial. “Eu parei de comer proteína animal muito rápido, meus índices de alguns nutrientes baixaram muito. Não ia saber fazer as combinações necessárias com alguns alimentos para suprir a falta deles”, completa a estudante.

No entanto, a nutricionista Michelle Rocha relembra que não são apenas vegetarianos que estão propensos a anemia. “Em uma alimentação vegetariana bem planejada, não há risco de desenvolvimento de anemia”, completa.

Em uma alimentação vegetariana bem planejada, não há risco de desenvolvimento de anemia” (Michelle Rocha)

Subdivisões

Cardápio vegetariano pode ser tão diversificado quanto um onívoro. Foto: Reprodução

A nutricionista Luana Façanha, 22, também explica que o vegetarianismo tem suas subdivisões. “Existem vegetarianos que consomem leite, laticínios e ovos (ovolactovegetarianismo), outros que não restringem ovos (ovovegetarianismo), os que consomem normalmente leite e seus derivados (lactovegetarianismo) e, por fim, o vegetariano estrito, aquele que não inclui nenhum produto de origem animal na sua alimentação”, explica Luana.

Geralmente, o que faz pessoas se tornarem vegetarianas é pela empatia com animais e não concordarem com a matança deles para alimentação. “Eu nunca achei certo matar animais em série. Depois que eu comecei a faculdade de Nutrição, pensei sobre a saúde das pessoas vegetarianas e vi que dá para viver muito bem me alimentando sem origem animal, para mim não fez mais sentido matar sem necessidade”, declara a estudante de Nutrição Ana Beatriz Velloso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php