Inclusão social por meio do esporte

Por Erison Vinicius

Foto: arquivo pessoal

O reconhecimento do esporte como método de socialização positiva ou de inclusão social é revelado pelo crescente número de projetos esportivos destinados aos jovens das classes populares. Afinal, não é de hoje que se escuta falar em crianças, adolescentes e adultos que mudam suas vidas após participar de programas sociais. Um desses exemplos é o Centro Paradesportivo Edivaldo Prado, projeto idealizado pelo diretor administrativo Edivaldo Prado, deficiente desde os oito meses de idade.

Centro Paradesportivo Edivaldo Prado

Edivaldo Prado, deficiente desde os oito meses de idade, sofreu poliomielite, também conhecida como “paralisia infantil”, que atingiu todo o seu corpo. Por isso, Prado passou toda sua infância tentando se reabilitar. Após algumas tentativas, encontrou ajuda no esporte.

Foto: divulgação

Em 1994, criou o Centro Paradesportivo Edivaldo Prado, direcionado a pessoas com deficiências. Essa instituição sem fins lucrativos auxilia pessoas com deficiência por meio do esporte. Atualmente, o projeto oferece algumas modalidades, como natação, tênis de mesa e atletismo. Tem em torno de 200 atletas em geral, sendo 60 deles praticantes da natação.

“A inclusão social é o que move o projeto, pois é através do esporte que resgatamos a pessoa com deficiência para suas funções na sociedade”, diz o diretor de esporte do centro, Herbert de Souza. Ao aliar o esporte a sua rotina é possível permitir que crianças, jovens e adultos se sintam membros da sociedade. Além disso, os exercícios físicos possibilitam o desenvolvimento físico, psicológico e educacional dos deficientes. O projeto também realiza o encaminhamento do deficiente a um fisioterapeuta e ao CAPs – Centro de Atenção Psicossocial, juntamente ao psicólogo, caso ele tenha alguma necessidade.

“A inclusão social é o que move o projeto, pois é através do esporte que resgatamos a pessoa com deficiência para suas funções na sociedade” (Herbert de Souza, diretor de esportes)

Entrevista

Jânio Filgueiras. Foto: arquivo pessoal

Jânio Filgueiras, 23 anos, é deficiente físico e campeão de natação no norte-nordeste. O jovem faz parte do Centro Paradesportivo Edivaldo Prado. Confira a entrevista com o atleta:

Erison Vinicius: Como você ficou sabendo do projeto?

Jânio Filgueiras: Eu soube através de um amigo que também é deficiente. Ele conhecia o projeto e pediu que eu fosse conhecer.

EV: Como é realizada a divisão para cada tipo de necessidade física?

JF: É classificada de acordo com o grau de deficiência do atleta. No meu caso, sou classificado como S10, que significa a classe mais alta dos deficientes físicos.​

EV: Como o esporte mudou a sua vida?

JF: Não tive tanto problema para aceitar essa nova fase da minha vida. Com a natação, ficou até mais fácil recuperar minha confiança, pois, através do esporte, percebi que meus limites estavam na minha cabeça. Mesmo com a perda da perna e com outros problemas, eu poderia fazer as coisas que gostava.​

EV: Quais  melhorias você percebeu em seu corpo depois que começou a praticar natação?

JF: Percebi várias, no começou serviu como reabilitação. Com o tempo, comecei a ganhar mais força na perna, o que me ajudou muito, pelo fato de ser apenas uma.  Além disso, eu notei uma melhoria na minha parte aeróbica.

EV: Como o esporte ajudou em relação à inclusão social?

JF: Ajudou muito, pois, através do esporte, acabei conhecendo muitas pessoas. Com isso, venho quebrando, também, o preconceito que as pessoas têm com os deficientes, por acharem que devemos ser tratados com indiferença por causa de algumas limitações. Hoje as pessoas me olham com admiração e não com pen. O que mais me orgulho é saber que sirvo como exemplo, até mesmo para  atletas que admiro.

Natação para o corpo

A natação é considerada um dos esportes mais completos, pois trabalha todos os mecanismos fisiológicos, principalmente a capacidade respiratória e o sistema cardiovascular. Manter-se em atividade é uma opção de alcance para todos.

A natação é um esporte de baixo impacto e traz benefícios a quem a faz. A prática desse exercício auxilia o aumento da autoestima, da circulação sanguínea, do equilíbrio corporal e da musculatura, além de ajudar na correção postural, entre outros.

Confira alguns outros benefícios da prática desse esporte, segundo os entrevistados:

Saiba mais

Tem interesse em participar? Saiba as melhores opções de rotas a partir dos principais terminais de ônibus de Fortaleza até o Centro Paradesportivo Edivaldo Prado:

Confira a matéria editada por Erison Vinicius:

Inclusão social por meio do esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *