Há 40 anos, Fleetwood Mac lançava seu álbum mais rentável

Por Letícia Feitosa

Não se esperava nada de inovador quando um grupo musical repleto de conflitos internos e movido a muita cocaína decidiu, em 1976, entrar em um estúdio. No entanto, o que parecia ser uma receita para o fracasso, rendeu à banda de rock anglo-americana, Fleetwood Mac, um de seus trabalhos mais aclamados pelo público e pela crítica. Há 40 anos, em 1977, foi lançadoRumors, considerado um dos melhores álbuns dos anos 1970.

Arte da capa de Rumors. Foto: reprodução

Crises

Na foto, da direita para a esquerda, Christine McVie, Stevie Nicks, Lindsey Buckingham, Mick Fleetwood e John McVie (em pé). Foto: reprodução

Antes da gravação do disco, o grupo havia se reformulado. A banda, surgida em 1967 em Londres, foi fundada pelo guitarrista Peter Green e, naquela época, fez sucesso com suas canções voltadas para o blues elétrico. Porém, devido ao uso excessivo de drogas, Green resolveu sair do grupo. Após um período, o baterista, Mick Fleetwood, e o baixista, John McVie, tentaram novas formações para o Fleetwood Mac. A esposa de John, Christine, se tornou a tecladista e, em 1974, o casal californiano, Lindsey Buckingham e Stevie Nicks, foi adicionado ao grupo, fazendo com que a banda voltasse aos trilhos.

Em 1975, foi lançado o 10º álbum de estúdio da banda, intitulado “Fleetwood Mac”. Esse foi o marco para uma nova fase do grupo, e o disco atingiu número 1 na Billboard 200. Faixas como ”Rhianon” e “Over My Head” fizeram a banda ser reconhecida novamente. Mas o período de glória do grupo atingiu a vida pessoal dos integrantes, e o álbum seguinte seria o resultado de um grande drama.

Gravado no Record Plant, “Rumors” foi fruto de várias conturbações. Formado pelos ingleses Mick Fleetwood, John McVie e Christine McVie, e pelos americanos Lindsey Buckingham e Stevie Nicks, o grupo estava no auge da carreira. Após o álbum anterior, prestes a entrar em processo de produção de outro disco, os dois casais entraram em vias de separação, e o baterista Mick descobriu que sua esposa, Jenny Boyd, o traía com o seu melhor amigo. Porém, apesar da aparente crise, esses conflitos internos foram artifícios usados na composição das músicas.

Faixas

Capa do single “You Make Love Fun”. Foto: divulgação

Recheado de indiretas, o disco tem 11 faixas. As farpadas começam na canção “Dreams, a mais conhecida do grupo, em que a vocalista Stevie Nicks despeja toda a sua amargura em seu ex namorado e parceiro de banda, Lindsey Buckingham. O então guitarrista, como resposta a Nicks, escreveu Second Hand News’’,Go Your Own Way’ e ‘’Never Going Back Again’’, escancarando suas inquietações quanto ao relacionamento dos dois.

A tecladista, Christine McVie, que havia rompido seu casamento com o baixista John, deixou, em suas composições, mensagens para o ex marido. Em Don’t Stop a inglesa o aconselha a seguir em frente, e na faixa Oh Daddy”, uma outra homenagem ao baixista, ela, com muito rancor, reconhece sua parcela de culpa no término. A tecladista também escreveu You Make Love Fun”, um dos singles do álbum, sendo esta não mais direcionada ao seu antigo amor, mas sim ao seu novo namoro com o diretor de iluminação dos shows da banda.

A sétima música de “Rumors” é considerado um clássico de Fleetwood Mac. The Chainé a única faixa creditada a todos os integrantes, na qual é cantada: “you would never break the chain” (em tradução livre, “você nunca quebrará a corrente”). A mensagem da canção deixa clara a situação do grupo. Pois, apesar das desventuras, todos permaneceram juntos em prol da música. Como a vocalista Stevie Nicks uma vez disse em um documentário sobre o disco, “Havia cocaína, outras drogas, muita grana e muita angústia. Mas estávamos fazendo nossa melhor música”.

Havia cocaína, outras drogas, muita grana e muita angústia. Mas estávamos fazendo nossa melhor música” (Stevie Nicks)

Musicalidade

“Rumors” venceu Grammy de “Álbum do Ano”. Foto: reprodução

Em cada canção de “Rumors” é evidente um pouco do talento de cada integrante. Christine e seus solos de teclado aparecem constantemente. Lindsey Buckingham também deixa a sua marca em várias faixas, com sua habilidade com o violão, banjo e guitarra elétrica. A banda, depois da nova formação, mesclou muito bem o pop e o rock e trouxe uma variedade de instrumentos, tanto acústicos quanto elétricos.

Produzido por Ken Caillat, Richard Dashut e pela própria banda, o disco, na época do lançamento, vendeu mais de 40 milhões de cópias no mundo todo e venceu o Grammy de “Álbum do Ano”. Hoje, “Rumors” é o 14º disco mais vendido na história do Reino Unido. Daryl Easlea, crítica de música da BBC, descreveu o 11º álbum de estúdio do Fleetwood Mac como “um milhar de anjos beijando você suavemente na testa”. Seu legado foi feito também quando a revista Rolling Stone, em 2004, colocou o disco em 26º lugar na lista dos “500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos”.

 

Um comentário em “Há 40 anos, Fleetwood Mac lançava seu álbum mais rentável

Deixe uma resposta para Robson Florencio Paim Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php