5+ episódios de Black Mirror

Por Melissa Carvalho

Novas tecnologias surgem todos os dias, nos deixando cada vez mais dependentes. O vício nas redes sociais, em aparelhos eletrônicos e em plataformas de streaming caracterizam o período em que vivemos e nos fazem questionar sobre o que o futuro tem a nos oferecer. Uma mistura de realidade e distopia define a série britânica “Black Mirror. Cada episódio traz temática, personagens e cenários diferentes, para apresentar ao espectador uma realidade ficcional. Episódios obscuros nos fazem refletir sobre a situação atual da sociedade.

Confira agora uma lista selecionada pelo JornalismoNIC com cinco episódios de “Black Mirror” que valem à pena serem assistidos.

“The National Anthem” (O Hino Nacional)/T01 EP01

Esse é o episódio piloto da série. O início mostra o primeiro-ministro britânico, Michael Callow, sendo acordado para receber a notícia do sequestro da Princesa Susannah. O pedido de resgate é feito por meio de um vídeo postado no Youtube e  direcionado para Michael. Na gravação, os sequestradores obrigaram o ministro a ter relações sexuais com um porco em uma exibição televisionada para todo o país, ao vivo, para a liberação da princesa. Durante o episódio, a população fica totalmente envolvida no assunto, interagindo e opinando pelo Twitter. A história representa como somos envolvidos por enredos sensacionalistas e como os meios de comunicação utilizam situações para conseguir audiência.

 

“Be Right Back”(Volto Já)/T02 EP01

O episódio narra a história de Martha e Ash. Depois da morte de Ash, Martha precisa enfrentar o processo de luto. Ao descobrir uma gravidez, a personagem usa um aplicativo para tentar superar a perda. A tecnologia utiliza todas as informações que estão nas redes sociais para possibilitar que o sistema assimile a voz e lembranças do morto. No início, o aplicativo só permite que Martha converse com Ash pelo telefone, mas apenas ligações não são suficientes para suprir a falta do marido. Então, aceita testar uma nova tecnologia que promete a recriação de Ash através de um corpo sintético e de um sistema que controla as ações e memórias. A crítica fica por parte da nossa dependência em alternativas tecnológicas, que têm função de nos substituir em certas atividades. Para Martha, era mais confortável conversar e ter seu marido de volta ao invés de aceitar sua morte.

 

“White Bear” (Urso Branco)/T02 EP02

Considerado pelos internautas um dos melhores episódios da série, “White Bear” narra a trama de Victoria. A personagem acorda, sem memória, em um quarto desconhecido. Na casa, estão espalhadas diversas fotos dela com pessoas que imagina que sejam da sua família. Ao sair, todas as pessoas que encontra no caminho estão gravando vídeos e a ignorando. Ao longo do episódio, diversas reviravoltas acontecem. Victoria recupera a memória aos poucos e a história começa a fazer sentido, apresentando como uma sociedade cruel pode transformar a justiça em um jogo de tortura psicológica.

 

“Nosedive” (Queda Livre)”/T03 EP01

Uma sociedade que divide as pessoas em classes por meio de notas é apresentada em “Nosedive”. A personagem principal, Lacie Pound, passa o episódio inteiro tentando agradar as pessoas ao seu redor para adquirir mais pontos a fim de aumentar sua nota e conseguir comprar uma casa. A história retrata como vivemos em prol da aprovação das pessoas e como a divisão da sociedade vai além das classes sociais.

 

“Shut Up and Dance” (Manda Quem Pode)/T03 EP03

Kenny é um adolescente comum, que tem o computador hackeado após baixar um programa antivírus. O hacker, então, passa a ter acesso às imagens da webcam e grava o jovem se masturbando. O hacker ameaça publicar a gravação, convencendo Kenny a permitir o acesso ao seu celular. Após isso, várias mensagens são enviadas para Kenny, que precisa seguir ordens para suas imagens não serem divulgadas. Ao seguir os comandos, Kenny descobre uma grande rede de pessoas que também estão sob o comando desse hacker. O episódio assusta por ser uma realidade tão próxima da atual. Mostrando, de uma forma mais radical, como somos subordinados da tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *