5+ clássicos do diretor Christopher Nolan

Por Edson Baima

Toda geração admira um diretor de cinema específico e fica fascinada por suas obras durante anos. Alguns nunca saem de moda, como é o caso de Quentin Tarantino, Tim Burton, Steven Spielberg, entre outros. Mas o diretor que vem sendo considerado um gênio dos anos 2000 até agora é Christopher Edward Nolan. O cineasta ficou famoso por sempre tentar trazer a realidade para os seus filmes, dispensando ao máximo o uso de efeitos especiais (também conhecido como CGI – Computer Generated Imagery). Não só na imagem, mas os diálogos também são aproximados da realidade e dos espectadores, cativando-os cada vez mais. Confira agora cinco filmes de Nolan que não saem da lista de favoritos dos amantes de cinema:

Amnésia (2000)

Leonard Shelby (Guy Pearce) é um homem que sofre de uma doença chamada amnésia anterógrada, impossibilitando que ele acumule novas memórias. O filme começa pelo fim, mostrando Leonard matando um rapaz. A história sugere que essa atitude seja de vingança, pois supostamente este homem estuprou e matou a mulher e o filho de Shelby. Devido à amnésia, o personagem principal sempre se encontra em conflito entre suas memórias e o que de fato está acontecendo, deixando dúvidas na própria narrativa e para quem assiste.

Foto: reprodução


Insônia (2002)

Conta a história de dois detetives, Will Dormer (Al Pacino) e Hap Eckhart (Martin Donovan), em busca de um assassino que tirou a vida de uma jovem de 17 anos. A história se passa em uma pequena cidade do Alasca. Em uma de suas saídas para investigar, Dormer e Eckhart se separam para encurralar o suspeito e, entre as neblinas, Dormer avista uma forma humana em meio à neblina e atira contra ela acreditando ser o suspeito, porém aquela sombra era o seu parceiro. Aliado a essa tragédia, as investigações com o assassino e o sol da meia-noite (fenômeno natural em que o sol é visto 24 horas por dia), Dormer sofre de uma insônia extrema, ficando acordado até o fim do caso.

Foto: reprodução

Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008)

É o segundo filme da trilogia “Dark Knight”, continuação de “Batman Begins”. O novo promotor público da cidade de Gotham, Harvey Dent (Aaron Eckhart), se une ao Batman (Christian Bale) e ao detetive Gordon (Gary Oldman) para combater a nova ameaça da cidade, um criminoso psicopata que se auto-intitula de Coringa (Heath Ledger). A população de Gotham sabe que seu novo mal é totalmente diferente dos outros, uma vez que a nova ameaça não quer saber de dinheiro ou bens materiais. “Alguns homens querem apenas ver o mundo pegar fogo”, diz o mordomo Alfred (Michael Caine) para Bruce Wayne. Batman, de certa forma, lida com a personificação do caos.

Foto: reprodução

A Origem (2010)

Dom Cobb (Leonardo DiCaprio) é um ladrão de alto nível, mas sua especialidade é extrair informações do inconsciente das pessoas durante o sonho. Cobb está em uma missão para extrair informações industriais de Saito (Ken Watanabe), um influente empresário japonês.  Durante o inception (expressão no filme que indica que você está em uma realidade, mas que não é a verdadeira), Cobb carrega com ele um peão que mostra se ele está sonhando ou não. Se o peão parar de girar, não é um sonho, mas se ele não parar, ele está sonhando. O perigo é que mesmo estando em um inception, as dores são reais. Ou seja, se alguém tomar um tiro no sonho, sente as consequências na vida real. O mesmo vale para a morte.

Foto: reprodução


Interestelar (2014)

Conta a história de uma equipe de astronautas que viajam pelo espaço à procura de um novo lar para a humanidade, pois a Terra está com uma praga que devastou muitas colheitas, causando um apocalipse da fome. Enquanto Cooper (Matthew McConaughey) parte em busca de um novo mundo, sua filha Murphy, de dez anos, fica na Terra. Porém, em uma das paradas em busca de um planeta habitável, a tripulação da Endurance (nave espacial) descobre que está em um local que o tempo se passa muito mais rápido em relação à Terra. Cada hora nessa superfície é o equivalente a sete anos na Terra. Devido um problema na nave, quando a tripulação saiu do planeta, descobriram que já tinham se passado 23 anos.

Foto: reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *