Série americana reúne elementos das novelas latinas

Por Ana Luiza Souza

Triângulo amoroso, mocinha, vilã, drama, comédia e uma pitada de romance policial. Jane the virgin tem tudo o que não pode faltar nas telenovelas latinas. Entretanto, a série é uma produção para a televisão norte-americana, inspirada em uma telenovela venezuelana “Juana la virgen”. Transmitida desde 2014, pela rede The CW, ela conta a história de Jane, jovem virgem inseminada artificialmente por engano.  

Jane Villanueva (Gina Rodriguez) é filha de Rogelio de la Vega (Jaime Camil) e Xiomara (Andrea Navedo), que aos 16 anos deu à luz. Neta da imigrante ilegal e católica fervorosa, Alba Villanueva (Ivonne Coll), Jane é ensinada a não repetir o erro da mãe e esperar até o sacramento do casamento para perder a virgindade. Entretanto, em uma visita rotineira ao ginecologista ela é inseminada artificialmente por causa de um erro médico. Jane está noiva, prestes a terminar a faculdade e sonha ser uma grande escritora,  quando então se vê grávida de um homem desconhecido. Daí pra frente, a vida da protagonista torna-se uma confusão.

A jovem grávida rompe o noivado com Michael Cordero Jr. (Brett Dier), um policial honesto, e conhece o pai do filho que ela espera, Rafael Solano (Justin Baldoni). Jane se apaixona por Rafael, seu antigo flerte, rico e dono do hotel que ela trabalha. Paralelamente, ao drama de Jane, Rafael também encontra dificuldades em sua vida amorosa e profissional. Ele precisa gerir o hotel em que Jane trabalha enquanto investigações ocorrem sobre assassinatos e mafiosos, além de tentar superar o fim de um casamento falido.

A família Villanueva mostra a união e força das mulheres. (Foto: Divulgação)

Efeitos inovadores

A vida de Jane se transforma numa novela mexicana das boas. O elenco é talentoso e transforma pequenos detalhes em grandes sacadas cômicas. A atuação de Gina Rodriguez é um dos destaques da trama. A atriz ganhou um Globo de Ouro pela personagem. Além disso, Jane the virgin também conta com Jaime Camil, ator mexicano muito conhecido por seu papel na telenovela “La fea más bella” (A Feia Mais Bela) exibida no Brasil pelo SBT, em 2006.

Jane the virgin conta com efeitos utilizados em histórias em quadrinhos (Foto: Divulgação).

O roteiro bem trabalhado, inteligente e por vezes irônico, permite que a série ganhe recursos pouco utilizados na televisão americana. O primeiro é a presença de um narrador-personagem. Ele não só narra o que aconteceu nos capítulos passados, como também conversa com o telespectador e demonstra saber como o público reagirá a cada acontecimento. Além disso, ele dá conselhos aos personagens e chega até a reprová-los. Ele é um dos grandes responsáveis pela irreverência da série. Os recursos visuais também são inovadores na produção. Os efeitos remetem a artifícios utilizados em histórias em quadrinhos. Quando Jane se apaixona por Rafael, ela passa a vê-lo com uma áurea, como ele se ele fosse um ser especial, por exemplo.

Questões sérias tratadas de forma irreverente

Entretanto, a série usa o drama e o humor para fazer críticas sociais muito importantes, como a questão dos imigrantes nos Estados Unidos, a maternidade na adolescência, o conflito entre maternidade e  mercado de trabalho e as dificuldades das mulheres na vida contemporânea. Mesmo tendo sido ensinada a não ter relações sexuais antes do casamento e não desejar uma gravidez, Jane é uma mulher inteligente e independente e não aceita que ninguém diga o que ela deve fazer. A série mostra o poder da jovem mulher. Além disso, todas essas questões são tratadas com leveza, inseridas de forma casual na vida dos personagens.

Representatividade

Outro aspecto interessante da produção é a representatividade. A maioria dos atores não seguem um padrão de beleza eurocêntrico. Eles têm traços de origens diversas, uns são descendentes de porto-riquenhos, já outros são mexicanos. Além disso, há personagens homossexuais e as mulheres mais velhas, que geralmente não são representadas na mídia, têm espaço na produção norte-americana.

A maioria dos atores da série são descendentes de latinos (Foto: Divulgação).

FICHA TÉCNICA:

Direção: Brad Silberling

Ano de produção: 2014

Duração: 40 min. por episódio  

Gênero: Comédia/Drama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *