Dragão Fashion Brasil proporciona espaço para divulgação de novos talentos

Por Clara Menezes

O Dragão Fashion Brasil realizará sua 18ª edição dos dias 24 à 27 de maio, no Terminal Marítimo de Passageiros do Porto de Fortaleza. O maior evento de moda autoral da América Latina terá como tema “Viva Essa Festa” para comemorar o aniversário de sua maioridade e reunirá grandes nomes da moda cearense, como Iury Costa, João Paulo Guedes e Kallil Nepomuceno.

Idealizado por Cláudio Silveira, o evento equilibra moda, gastronomia, shows, palestras, workshops e oficinas, com o objetivo de divulgar e exaltar novos talentos cearenses. Para isso, além dos designers e estilistas já renomados, o Dragão Fashion proporciona o “Concursos dos Novos”, quando faculdades do Brasil concorrem com suas criações para participar do evento.

Neste ano, dos 24 trabalhos enviados, oito instituições foram escolhidas: Centro Universitário Estácio do Ceará, Centro Universitário de João Pessoa, Escola Técnica Estadual Carlos de Campos, Faculdade Ateneu, Faculdade Santa Marcelina, Faculdade de Tecnologia Senai Antoine Skaf, Universidade Federal de Minas Gerais e Universidade de Fortaleza. Essas faculdades confeccionarão oito peças para desfilar no dia 27 de maio, com o tema “Peru”, para valorizar os aspectos históricos e culturais daquele país.

“El Suelo Secreto” no desfile

A equipe da Unifor com alguns colegas e modelo no camarim do ensaio fotográfico. Foto: Arquivo Pessoal.

A equipe da Unifor apresentará a coleção “El Suelo Secreto” (“O Solo Secreto”, em português). O time inclui quatro alunos do quarto e quinto semestre de Design de Moda, Micheli Guedes, Felipe Vieira, Rebeca Gurgel e Thais Cunha, que contarão com uma equipe de apoio composta por Lorena Alves e Magna Medeiros.

Apesar da euforia de um evento de grande proporção, a equipe precisou de muito esforço. “A confecção é uma maratona porque a gente tem um mês para conseguir parcerias e custear nossa coleção. A gente faz rifa, bazar. Tudo para conseguir fundos”, conta a estudante Micheli Guedes, 36. “Mesmo com toda a dificuldade, tem dado certo. A gente vira noite, vai para o Centro milhares de vezes, bate na porta das pessoas pedindo premiações para rifa. Esse ano, a gente pediu doação de roupas para todo mundo, com o objetivo de fazer um bazar”, continua. A estudante acrescenta que é muito enriquecedor sair da faculdade para um evento tão renomado.

“Mesmo com toda a dificuldade, tem dado certo. A gente vira noite, vai para o centro milhares de vezes, bate na porta das pessoas pedindo premiações para rifa. Esse ano, a gente pediu doação de roupas para todo mundo, com o objetivo de fazer um bazar” (Micheli Guedes)

A coordenadora do curso de Design de Moda da Unifor, Ana Claudia Silva Farias, fala do apoio do curso e da universidade para os estudantes que estão participando do maior evento de moda autoral da américa latina. “A gente trouxe o Cláudio Silveira, idealizador do Dragão Fashion Brasil, para explicar as novidades do evento e como ele vai funcionar”, conta Ana Claudia.

A importância da moda

A moda muda constantemente com a história. Ela é, primordialmente, a tendência de consumo de acordo com cada cultura, ideais e costumes. “A moda é o reflexo de uma cultura. Ela mostra o que está acontecendo naquela sociedade em uma determinada época através do modo de se vestir. É uma identidade. Cada um vai buscando, na hora de se vestir, coisas que reflitam a sua personalidade” conta Ana Claudia.

A moda se adapta às mudanças da sociedade, ou seja, cada época é pautada por ideologias distintas e, consequentemente, por diferentes maneiras de se vestir. O que era comum dez anos atrás, é “esquisito” este ano. “Se você for ver por períodos, por época, a mudança fica muito marcante. Na época da liberação sexual, nos anos 70, as roupas começaram a ficar mais soltas, mais fluidas, mais leves, deixando tudo livre. Nos anos 50, era aquela coisa muito boneca, pelo menos para as mulheres”, explica a coordenadora de Design de Moda.

“Se você for ver por períodos, por época, a mudança fica muito marcante. Na época da liberação sexual, nos anos 70, as roupas começaram a ficar mais soltas, mais fluidas, mais leves, deixando tudo mais livre. Nos anos 50, era aquela coisa muito boneca, pelo menos para as mulheres (Ana Claudia Silva Farias)

Extremamente importante para a economia brasileira, a moda, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil – ABIT, contribui com 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Além disso, esse mercado emprega cerca de dois milhões de pessoas no país. A positiva situação econômica da moda no século XXI vem aumentando, também, devido à popularização do e-commerce, ou seja, as vendas de produtos pela Internet, que são mais cômodas para os consumidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php