Cultivo de plantas contribui para terapia psicológica

Por Rhuan de Castro

Plantar, regar e cuidar de plantas não beneficia somente o meio ambiente, mas também a saúde das pessoas. De acordo com o livro “Horticulture as Therapy, Principles and Practice” (em tradução livre, Horticultura como Terapia, Princípios e Práticas), a jardinagem é capaz de ajudar na restauração física e mental de quem pratica. Inclusive, ela é utilizada como tratamento e terapia de portadores de câncer.

A “terapia” da interação entre homem e natureza não é algo recente. De acordo com o mesmo livro, os primeiros registros de jardins sendo utilizados como terapia datam desde o Egito Antigo, onde médicos da corte indicavam caminhadas em jardins do palácio para membros da realeza que estivessem com problemas psicológicos.

Em entrevista ao Gazeta do Povo, Antonio Vitorino Cardoso, professor do curso de psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), explica que o contato com a natureza é importante e faz parte do comportamento humano. “Nosso estilo de vida atual nos priva muito disso. Geralmente, aproveitamos a natureza só durante as férias”. Para ele, é necessário criar alternativas para retomar essa essência. “Essas atividades não podem ser consideradas uma terapia em si, mas são reconhecidas como coadjuvantes importantes”.

Nascida e criada na serra de Guaramiranga, Liduina Alves, 65 anos, fala sobre o seu “hobby” de interação com a natureza e como ela a ajuda. “Sempre tive muito contato com a natureza. Depois que meu filho faleceu, cuidar do meu jardim me ajudou a superar a minha dor. As flores me trazem uma paz interior inexplicável. Certamente, é uma terapia”.

“Sempre tive muito contato com a natureza. Depois que meu filho faleceu, cuidar do meu jardim me ajudou a superar a minha dor. As flores me trazem uma paz interior inexplicável. Certamente é uma terapia” (Liduina Alves)

Além da terapia, existem aqueles que gostam apenas pela estética que o jardim traz para o ambiente doméstico. Francisca Maria, 78 anos, costureira, sempre viu seu jardim como um complemento de sua casa. “É muito linda a forma como o jardim traz um sentimento de paz. Além disso, a casa parece mais completa com a presença de algumas plantas”.  

“É muito linda a forma como o jardim traz um sentimento de paz. Além disso, a casa parece mais completa com a presença de algumas plantas”. (Francisca Maria)

Cultivo de bonsais
Bonsais são utilizados no tratamento de ansiedade e pânico. Foto: Reprodução.

Originado no império chinês, o cultivo de árvores anãs em bandejas era uma atividade voltada para a elite daquela época. Atualmente, o trato dessas pequenas plantas (bonsais) tem contribuído para uma reabilitação psicológicas de pacientes com ansiedade e pânico. É isso que vem sendo observado por uma terapia em Nepomuceno (MG). A oficina realizada pelo Serviço de Saúde Mental de Nepomuceno, ensina técnicas para cuidar dos bonsais. Apesar de difíceis, as mesmas contribuem para uma mente mais saudável.

Os pacientes são acompanhados por psicólogos durante todo o processo. O principal objetivo é a reabilitação psicossocial. Os especialistas que atuam na oficina acreditam que, durante o tratamento, os pacientes passam a se comunicar com mais facilidade.

Um comentário em “Cultivo de plantas contribui para terapia psicológica

  • 20 de maio de 2019 em 02:39
    Permalink

    Nossa adorei o conteúdo e de primeira qualidade parabéns mesmo. Quero ler mais o contéudo top de vocês muito obrigada

    Resposta

Deixe uma resposta para Jorge santos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php