Campanha ajuda Conjunto Palmeiras a continuar sua história de luta

Por Carolina Campos e Clara Menezes

O “Bodegão da Solidariedade” é uma iniciativa que tem como objetivo complementar os custos da regularização dos imóveis de cerca de 5.000 famílias do Conjunto Palmeiras. O projeto consiste na arrecadação de doações de roupas, sapatos, bolsas, brinquedos, livros didáticos e infantis, computadores, eletroeletrônicos e qualquer objeto que esteja apto a ser vendido com o propósito de angariar fundos para a causa.

A campanha, prorrogada até o dia 30 de junho, foi idealizada por Eudoro Santana, ex-deputado estadual e superintendente do Instituto de Planejamento de Fortaleza (IPLANFOR) em parceria com Mercadinho São Luiz, Universidade de Fortaleza (Unifor), Universidade Estadual do Ceará (UECE), Universidade Federal do Ceará (UFC), Sistema FIEC, Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL) e Faculdade CDL. O superintendente reconhece a importância da campanha do “Bodegão da Solidariedade” para os moradores do Conjunto Palmeiras, pois afirma que “A contribuição de um projeto como esse é uma forma de retribuição à luta desses trabalhadores”.

“A contribuição de um projeto como esse (“Bodegão da Solidariedade”) é uma forma de retribuição à luta desses trabalhadores” (Eudoro Santana)

Um dos lugares onde a população pode realizar suas doações é a Federação das Indústrias do Ceará/Casa da Indústria. Outro ponto de coleta é a Universidade de Fortaleza, que disponibiliza no hall da biblioteca, caixas destinadas à arrecadação dos produtos. Os itens doados serão vendidos no “Bodegão da Solidariedade” e o dinheiro será revertido em apoio às famílias que precisam desta ajuda para regularizar os documentos de suas casas no Conjunto Palmeiras.   

História do Conjunto Palmeiras

No início dos anos 70, o bairro foi inicialmente ocupado por pessoas em busca da “terra prometida” descrita pela Prefeitura de Fortaleza. Os indivíduos que moravam em situação irregular devido à construção da Avenida Leste-Oeste, foram na esperança de um ambiente propício para a moradia, mas se viram diante de um descaso por parte do governo.

Conjunto Palmeiras no início de sua história. Foto: Reprodução.

O local era inóspito e não tinha nenhuma infraestrutura. Era um terreno deserto rodeado de mato e sem qualquer tipo de beneficiamentos e equipamentos públicos, como energia elétrica, encanamento, transporte e vias de acesso. Na mesma época em que os moradores foram despejados neste local, um terreno próximo se transformava no lixão do Jangurussu, de onde os novos moradores tiravam seu sustento e tiram até hoje.

Após muita reclamação, essas pessoas começaram a conseguir os direitos básicos para a sua comunidade. Elas obtiveram, entre suas primeiras conquistas, o fornecimento de energia elétrica. Além disso, a população conseguiu que a Prefeitura proporcionasse os materiais para a construção de cômodos e, apenas em 1978, a comunidade passou a contar com uma escola de ensino fundamental e um posto de saúde.

Atualmente, o Bairro Conjunto Palmeiras  possui cerca de 17,15% de seus habitantes na condição de extrema pobreza, segundo o Instituto de Pesquisa Estratégica Econômica do Ceará (IPECE). Apesar dessa adversidade, a comunidade está bem estabelecida e evoluiu bastante desde sua fundação. A Associação dos Moradores do Conjunto Palmeiras, por exemplo, criou o Banco Palmas, com sua própria moeda.

O banco tem como objetivo implantar programas e projetos de trabalho para gerar rendas para diversos indivíduos da comunidade. De acordo com o Superintendente do Instituto de Planejamento de Fortaleza (IPLANFOR), Eudoro Santana, “(O Conjunto Palmeiras) é o primeiro território brasileiro a ter um banco popular, a ter uma moeda, que hoje é reconhecida não só no Brasil, mas também no exterior”.

“(O Conjunto Palmeiras) é o primeiro território brasileiro a ter um banco popular, a ter uma moeda, que hoje é reconhecida não só no Brasil, mas também no exterior” (Eudoro Santana)

Para Eudoro Santana, “É importante que a sociedade de Fortaleza tenha essa história de luta e organização porque é um exemplo para o Brasil”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

css.php