“Prevenir incêndios é mais importante do que combatê-los”

Por Rhuan de Castro

Entre os mais perigosos acidentes domésticos, os incêndios são os principais causadores de destruição de empresas, galpões, indústrias e residências. Segundo o cruzamento de dados do SUS (Sistema Único de Saúde), através de um levantamento realizado pela Geneva Association, organização suíça que analisa estatísticas internacionais relacionadas a incêndios, o Brasil está em terceiro lugar no ranking mundial de mortes por incêndio.

Suscetível de acontecer a qualquer momento, em função de uma simples distração, um incêndio pode comprometer não apenas a moradia e os bens, mas também pode custar vidas. Em 2011, o Sistema de Informações sobre Mortalidade, do SUS, registrou 1051 mortes por incêndio ou por exposição à fumaça. A Abracopel (Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade) relata que houve um aumento de 49% de incêndios causados por curto-circuito, entre 2014 e 2015.

Incêndio comprometeu a cozinha de Alessandra Bergamini. Foto: Reprodução.

Alessandra Bergamini, dona de casa, vivenciou um incêndio que comprometeu parte de sua cozinha. “Minha filha tem insônia. Numa dessas madrugadas, ela foi colocar óleo para esquentar e fazer fritura. Quando ela acendeu o fogão, houve uma explosão e o fogo começou. Ela foi me chamar o pai, que imediatamente foi buscar o extintor no carro”, explica. A dona de casa não sabe dizer se o incêndio teve início por causa do óleo quente ou por conta de uma das bocas do fogão que havia ficado aberta. Agora, Alessandra diz que toma os devidos cuidados para evitar futuros acidentes.

Lívia Ferraz, estudante de Publicidade, conta a experiência que os moradores de seu prédio viveram ao lidar com um incêndio. Após um curto-circuito de um ventilador, um dos apartamentos começou a pegar fogo. Os outros moradores só perceberam o incêndio uma hora após o seu início. “Durante o processo, os moradores tentaram apagar, mas desistiram e fecharam o andar com a porta corta-fogo, que tem entre os apartamentos e as escadas. Os bombeiros foram chamados para apagar o fogo e resgatar uma senhora idosa. Logo após, uma vistoria foi feita para averiguar se a estrutura do prédio havia sido comprometida”.  

 

Grandes incêndios no Brasil

O último grande incêndio ocorrido na Boate Kiss e que tirou a vida de cerca de 236 pessoas, em 2013, chamou a atenção do mundo para a ação destrutiva e letal de um incêndio. Além dele, o Brasil já foi palco de outros incêndios que comoveram o país no passado. Relembre:  

 

  • Tragédia do Gran Circus Norte-Americano (RJ): Em 1961, um ex-funcionário do Circo, Adilson Alves, junto com dois comparsas, numa tentativa de se vingar de seu chefe, usou gasolina para pôr fogo na lona, que era feita de uma composição com parafina. Esta incendiou-se com rapidez e caiu em cima das três mil pessoas que assistiam ao espetáculo. A tragédia totalizou 503 mortes, 70% das vítimas eram crianças, e mais de mil pessoas ficaram feridas.

 

  • Edifício Joelma (SP): Em 1974, um curto-circuito em um aparelho de ar-condicionado, no 12º andar de um prédio paulistano, deu início a um incêndio que se espalhou rapidamente pelo edifício por conta de móveis de madeira, pisos acarpetados e forros internos de fibra sintética. Em pouco tempo, as escadas foram tomadas pelo fogo e a fumaça, impedindo as pessoas de evacuarem o prédio. O ocorrido ocasionou mais de 180 mortes e trouxe visibilidade às discussões sobre segurança e prevenção contra incêndio.

 

  • Lojas Renner (RS): Em 1976, um prédio onde funcionavam as Lojas Renner, em Porto Alegre, sofreu um incêndio que matou 41 pessoas e deixou 60 feridos. Muitas das vítimas se jogaram do alto do edifício de sete andares, que não tinha um terraço apropriado para resgate por helicópteros.

 

  • Vazamento em Cubatão (SP): Em 1984, devido a um vazamento, vários litros de gasolina espalharam-se no mangue próximo a uma favela em Cubatão. Em pouco tempo, uma ignição causou o incêndio do material e matou vários moradores. Foram registradas 93 mortes.

 

Cuidados e prevenção

Os Bombeiros Militares são os profissionais de segurança pública responsáveis pela prevenção e combate a incêndios. Além dessas funções, esses profissionais atuam na atividade de defesa civil, como busca e salvamento, e emergência pré-hospitalar. Priorizando sempre as vítimas, caso existam. A função é considerada como uma de maior risco e requer vários quesitos, equipamentos essenciais por conta da alta taxa de perigo e adversidade das situações em que atuam.  

José Epitácio Queiroz, Capitão RR do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará, fala sobre a importância dos alertas de prevenção de incêndios. Para ele, a população entende a importância do tema e do trabalho dos bombeiros. “Prevenir incêndios é mais importante do que combatê-los. Com atitudes simples é possível evitar que pequenos acidentes e contratempos se tornem uma grande catástrofe. E, hoje, a população com certeza dá uma grande atenção ao nosso trabalho e está atenta às orientações dos profissionais”.

Diante desses casos ainda frequentes, o profissional oferece dicas sobre atitudes que devem ser tomadas diante de um incêndio. Confira:

Infografia: Rhuan de Castro

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php